Puerpério

Quanto tempo dura o puerpério??

Texto da minha amiga e partner: Luiza Prado Moreau, Nutricionista, mulher, mãe do Fred e pessoa maravilhosa.

Eu me preparei (ou achei que tinha me preparado) para o puerpério, li textos falando das dificuldades das primeiras semanas, a famosa quarentena, e como era normal se sentir triste, melancólica, ter oscilações (abalos sísmicos, rs) de humor, aceitei que seria assim e tentei me preparar fisica e mentalmente para essa fase.

Pois bem, nasceu meu filho, a primeira semana foi louca, nossa família é toda de fora e foi uma loucura só eu e meu marido, mas passou. Aos poucos fomos nos organizando, foi surgindo um princípio de rotina, as oscilações de humor vinham, mas eu sabia que era normal, aceitava (com choro, vontade de fugir e tudo o mais, rs) e passava.

Com 3 meses, meu bebê passou a dormir a noite toda, que alívio! Dormia bem, mamava bem, interagia mais, sorria, brincava, uma delícia! E eu acreditei que estava passando (olha, até que não foi tão difícil…). Pois bem, com 4 para 5 meses meu bebê passou a acordar berrando, dava tetê, colocava para dormir, 10min e acordava berrando. Durante o dia brincava, chorava e mamava em ciclos instantâneos e intermináveis, eu mal conseguia ir ao banheiro (benditos picos de crescimento e desenvolvimento!). Via as mães ao meu redor falando que estava mais fácil, que o bebê estava mais independente, que dormia melhor, etc etc… E foi ai que o bicho pegou, rs.

200w_d (17)
Bebê chorando, mamãe desesperada, papai sem entender. Não era para ir ficando mais fácil? Pelo jeito não necessariamente, então afinal, quanto tempo dura o puerpério?

“Puerpério ou pós-parto é o período do ciclo grávido-puerperal, que vai da dequitação da placenta à volta do organismo materno às condições pré gravídicas.”
www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde…/MariaCristinaGuimaraesdaCosta.pdf

“O puerpério tem seu término imprevisto, pois enquanto a mulher amamentar ela estará sofrendo modificações da gestação (lactância), não retornando seus ciclos menstruais completamente à normalidade.”.
https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/viewFile/359/pdf

“Isso ocorre porque os hormônios produzidos durante o aleitamento materno bloqueiam a ovulação. E tende a permanecer assim enquanto a amamentação for contínua. Em geral, o ciclo menstrual só reaparece quando o bebê mamar menos – seja por dormir a noite inteira ou por começar a se alimentar com sólidos, por exemplo. […] Só que, como nada é exato em medicina, algumas mulheres podem começar a ovular enquanto ainda amamentam, correndo o risco de engravidar sem querer.”
http://www.febrasgo.org.br/site/?p=8401

Ou seja, não existe um período definido para o fim do puerpério… saber disso para mim foi um alívio (por mais estranho que pareça), pois passei a aceitar e lidar melhor, sabendo que é uma fase, que tem suas características, e que, mais cedo ou mais tarde, vai passar…

Enfim, eu decidi escrever esse texto para clarear minhas ideias, aliviar meu coração e compartilhar minha experiência, pois é isso que tem me ajudado a passar por esse período, compartilhar vivências e perceber que não estamos sozinhas. Minha dica: converse, divida, leia, alivie… saber que tem mais gente no mesmo barco e poder trocar experiências torna a maternidade e a vida mais leves.

giphy-downsized

E agora eu queria saber, como está sendo o puerpério por ai?

Parto

Tudo sobre: O expulsivo

O trabalho de parto normal humanizado, como já conversamos aqui, pode levar desde algumas poucas horas até dias. Sim dias. Cada corpo tem um ritmo próprio para que a dilatação aconteça e isso costuma depender também da posição do bebê dentro do útero, que não se iluda, muda constantemente até o momento do nascimento.

E como o parto acaba? Com o nascimento do bebê. O período depois da dilatação total é chamado período expulsivo.

O que acontece

200w_d (15)
O colo do útero já esta totalmente dilatado, ou muito próximo à isso, a sensação das contrações muda sendo substituídas por uma vontade intensa e involuntária de força.
Essa força vem das contrações intensas e coordenadas do útero que vão aos poucos fazendo com que o bebê passe pela bacia. A descida é normalmente lenta e conta com a ajuda da movimentação também do bebê.
Passada a bacia o bebê entra no canal de parto, nesse momento a mãe pode sentir perfeitamente a descida e localização do bebê, que avança e retorna um pouquinho a cada contração. Esse movimento de “vai e volta” é essencial para que a musculatura da vagina se alongue e relaxe lentamente sem provocar lacerações (ruptura muscular/rasgos)
Aqui que sentimos o “circulo de fogo”, parece toda a vagina estar circundada e muito quente, a mucosa parece queimar por conta do alongamento profundo.
Assim que a cabeça nasce o corpo do bebê faz sozinho um pequeno giro de 90 graus* (pode variar conforme a posição de saída do bebê essa é a mais comum), para facilitar a passagem dos ombros pela bacia.

Quanto tempo demora?

200w_d (16)
Ainda hoje não existem estudos conclusivos sobre quanto tempo o período expulsivo demora. De acordo o American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG), a duração normal seria de três horas em primípara com analgesia (primeiro parto normal, com uso de anestesia), duas horas em primípara sem analgesia, duas horas em multípara com analgesia (mulher que teve mais de um parto normal sendo esse com anestesia) e uma hora em multípara sem analgesia.
A anestesia acaba fazendo com que o tempo de expulsivo fique maior por tirar a sensação de puxo (força) materna e provocar relaxamento muscular, normalmente é necessário combinar o uso de ocitocina para que as contrações voltem a se intensificar.

Fonte da imagem de nascimento maravilhosa:http://www.monetnicole.com/stories/beautiful-crowning-images

Fonte de pesquisa: Febrasco (http://www.febrasgo.org.br/site/wp-content/uploads/2013/05/Feminav38n11_583-591.pdf)

Parto

E se romper a bolsa, o que fazer?

Os filmes e novelas mentiram para você. Pois é.
Você não precisa se desesperar e sair correndo quando a bolsa estourar! Milhares de florzinhas da gratidão para esse post, heim?!Para que serve o liquido amniótico?
-Durante a gestação o liquido é responsável pela proteção do bebê, ele amortece os impactos
-Possibilita a movimentação livre dentro do útero
-É com o liquido que os órgãos internos responsáveis pela respiração e digestão treinam o funcionamento
-É através do liquido também que o bebê treina o PALADAR, variando os “sabores” conforme o que a mãe come.
-O liquido se renova constantemente! A cada 18 ou 24 horas você tem entre 700ml até 1l de liquido novinho 🙂

Muito líquido ou pouco, qual o problema?

200w_d (14)
Tudo na gestação tem uma curva de normalidade que é usada de parâmetro, sempre que se identifica alterações é um sinal que algo não está bem. O problema não é a quantidade de liquido e sim PORQUE ela está fora na curva considerada normal para o período. Pode ser por conta de alguma alteração hormonal, de funcionamento da placenta ou até mesmo má alimentação/hidratação.
E quando rompe a bolsa?!

giphy (4)

Existem duas membranas que envolvem o bebê e são preenchidas de liquido, como se fossem dois saquinhos.
As vezes uma dessas membranas tem uma pequena ruptura e a mulher passa a perder liquido aos poucos, quase sem sentir ou perceber. Não é preocupante, pois o liquido continua sendo produzido pelo corpo, mas é importante observar o bem estar do bebê.
Pode também acontecer o famoso PLOC, a mulher é capaz de ouvir o barulho da ruptura e uma grande quantidade de liquido escorre. Isso pode acontecer Antes ou mesmo Durante o trabalho de parto.
***IMPORTANTE: Infecções urinárias podem provocar o rompimento da bolsa e partos pré-maduros. Em caso de contrações com dor constantes que não evoluem, ou antes das 37 semanas fale para seu médico, investiguem!
De acordo com estudos atualizados o trabalho de parto normal costuma começar espontaneamente até 12 horas depois do rompimento da bolsa para 70 a 80% das mulheres. Por isso, não existe necessidade de correr para o hospital ou se desesperar caso a bolsa rompa e você ainda não sinta nenhuma contração.

****IMPORTANTE
A cor do líquido sempre deve ser observada.
transparente ou com bolinhas brancas = está tudo bem
liquido esverdeado, pouco ou muito chegando a parecer creme de ervilha= é preciso ir imediatamente ao hospital, a presença de mecônio pode ser um sinal que o bebê não esteja bem e não você não deve aguardar.

 

 
Parto

Fórceps, como funciona

Não tem romance, o parto a fórceps com certeza não está nos sonhos de nenhuma mulher que planeja viver o parto normal.
Acontece que quando bem utilizados o fórceps ou o vácuo-extrator podem ser decisivos para um bom desfecho no parto.

Quando são utilizados
Normalmente em trabalhos de parto com período expulsivo longo, quando a mãe já tem dilatação total, e os batimentos do bebê se tornam instáveis. O Sofrimento fetal é identificado através do monitoramento bem feito dos batimentos cardíacos do bebê e ele precisa ser retirado com rapidez.

O fórceps pode ajudar também em casos de desproporção cefálica relativa, quando a descida para em um ponto baixo e deixa de evoluir.

Pela posição já baixa do bebê (profundamente encaixado) os riscos de utilizar o fórceps ou um extrator a vácuo podem ser muito menores do que se recorressem a uma cesárea de emergência.

Contra-indicação
Utilização por profissional não capacitado
Uso indiscriminado (rotina) sem avaliação individual de caso

Vamos comparar?

  • O Fórceps
    Uso de anestesia sempre
    Frequente lesão de face
    Falha menos 

 

  • O extrator a vácuo
    Varia o uso de anestesia
    Cefalematoma maior
    Maiores chances de falha

 

Fonte: http://estudamelania.blogspot.com.br/2015/03/parto-instrumental-forceps-e-vacuo.htm

Gestação, Saúde

Tamanho da barriga é documento?

“A barriga da minha vizinha estava o dobro da sua e…”

“Ah mas tem certeza que não são gêmeos?”

“Tá tão pequenininha, certeza que o bebê está saudável?”

“Não nasce hoje não, está super alta!!”
200w_d (1)

É impressionante a quantidade de pessoas especialistas em avaliação de barriga de gestante, tudo obviamente com embasamento cientifico vindo “da filha, da amiga da vizinha da prima da minha conhecida”

Acontece que o tamanho da barriga da mãe não é sinal de saúde ou falta dela, isso porque pode variar muito de mulher para mulher e também de acordo com as posições  do bebê no útero.

Grande ou Pequena?

Tamanho não é documento MESMO quado se trata de barrigas de gestantes. Fatores como obesidade, musculação, diabetes gestacional, pressão alta e alterações na tireoide interferem muito no físico materno. Normalmente gestantes na segunda gravidez e que não costumam exercitar os musculos abdominais tem uma distensão maior da barriga e ela parece muito maior logo nas primeiras semanas. Isso porque os músculos não estão fortes o suficiente para oferecer sustentação para o peso extra que está recebendo.

O que garante a saúde e bom desenvolvimento do bebê é o pré-natal bem feito e boa alimentação materna, nada de excessos , nem de exercícios, descanso ou alimentação.

 

Alta ou baixa?

A altura do bebê no útero é uma das coisas muito observadas. É isso que vai deixar visualmente a barriga mais alta (mais próxima às mamas) ou mais baixa (você consegue apoiar a mão entre as mamas e a barriga). Mesmo assim fora de trabalho de parto não exite motivo para comemorar ou ficar triste com uma barriga “alta ou baixa”.  Essa posição pode se manter por dias ou semanas, ou até mesmo mudar em questão de horas com o inicio do trabalho de parto ativo.

 

Pode uma mãe com barriga super alta ter um parto muito rápido.

Pode uma mãe com a barriga super baixa ter um parto muito lento.

Pode uma mãe com barriga pequena ter um bebê de mais de três quilos

Pode uma mãe com barriga grande ter um bebê de pouco mais de dois quilos.

 

Mulheres: Confiem nos seus instintos, pesquisem, estudem para se sentirem mais seguras e exercitem-se respeitando seus limites.

Palpiteiros de plantão: deixem as barrigas alheias em paz

Gestação, Saúde

Por que essa dor nos quadris?

No terceiro trimestre, mais ou menos a partir da 30 semana de gestação, a famosa “pressão na pelve” aparece com força total, dificilmente vamos encontrar alguma mãe que não reclame de dor nos quadris. Muitas mulheres se queixam também de agulhadas na vagina e a sensação contante que “alguma coisa está forçando para baixo”.

Vão podemos esquecer das caibras, inflamações no nervo ciático e em muitas mulheres surgem também as hemorroidas.

giphy (2)

Mas não se desespere, vamos primeiro entender porque isso acontece?

O peso do bebê aumenta muito nesse final e exige mais de músculos, coluna e sistema circulatório da mãe.
É nessa fase que o bebê costuma virar de cabeça para baixo e se ajeita na posição ideal para o nascimento, o que é um ÓTIMO sinal, mas força naturalmente a abertura dos ossos da bacia com a cabeça e com o peso que cresce muito semana a semana.
Seu corpo produz hormônios que tornam os ligamentos mais flexíveis, ou seja, ajuda ainda mais a bacia a se  abrir

 

Para aliviar esses desconfortos invista em:

  • Massagens relaxantes
  • Alongamentos diários
  • Yoga ou Pilates
  • Caminhadas leves
  • Bolsas de água quente nas regiões mais doloridas
  • Prestar sempre atenção na sua postura, postura errada mais sobrepeso do bebê pode forçar articulações e provocar inflamações.

 

Não precisa se preocupar ou achar que a criança vai nascer super rápido por conta dessa sensação constante de pressão.  O trabalho de parto normal é normalmente lento para que ocorra bem, como o desabrochar de uma rosa, e só acontece com contrações a cada 3 minutos e com um minuto de duração cada uma*. Sem contrações- sem nascimento

 

 

 

*Na grande maioria das gestações a fase ativa do trabalho de parto se dá com esse período de intervalo e frequencia. 

Gestação

Por que contamos a gestação em semanas

São apenas 10 meses (SIM são 10, mentiram para você a vida inteira, uma gestação normal pode ir até 42 semanas!) para formar um ser humano inteiro é bem pouco tempo se formos considerar a complexidade do nosso cérebro e funções. Por isso o desenvolvimento semana a semana é acompanhado e apresenta enormes mudanças de uma para outra. Grande parte das más formações ou problemas gestacionais podem ser identificados através desse acompanhamento. Pré Natal bem feito é essencial.

200w_d

de 0 a 8 semanas é uma explosão, entre fecundação e divisões celulares. A oitava semana é marcante pois é quando podemos ouvir o coração do bete bater, recém formadinho

9 a 12 semanas: Nessas semanas os tecidos todos vão ser formados, braços, mãos, pernas, pés, orgãos abdominais, dedinhos e orelhas. Com 12 semanas o cérebro já existe e também o sistema nervoso. O bebê já tem cara de uma pessoa pequenininha.

13 a 16 semanas: Crescer muito muito! esqueleto se fortalece e cresce muito semana a semana e sistema reprodutor já se diferencia. Nessa fase as mamãe já podem descobrir se esperam por uma menina ou menino.

17 a 20 semanas: Sistema digestório, urinário e circulatório estão completamente formados, daqui para frente vão crescer e amadurecer apenas. Os brotos dos dentes já existem na gengiva. A Mãe já pode sentir o bebê dando pulinhos do seu ventre e respondendo a estímulos. Nessas semanas os primeiros fios de pelinhos começam a surgir, cabelinhos e sobrancelhas. E nada tem a ver com azia rs

21 a 24 semanas: Para os meninos, os testículos começam a descer do abdômen e as meninas o útero e os ovários estão em vigor. Os movimentos respiratórios já acontecem e os pulmões já treinam para respiração externa, com soluços. Ainda precisam amadurecer e crescer bastante pra respirarem como os adultos.

23 a 28 semanas: Aqui amadurece a coluna, que incluem 1000 ligamentos, 150 juntas e 33 anéis também começam a se formar nesta semana. As narinas se abrem e o cérebro se desenvolve a todo vapor, em tamanho e ligações.

29 a 32 semanas: Os olhos do bebê já se abrem, ele responde a estímulos de luz e som, já que também pode ouvir perfeitamente! O corpo cresce e a cabeça se torna proporcional a ele.

33 a 36 semanas: É tempo de crescer e fortalecer. O bebê ganha peso muito rapidamente e se move com vigor. O cérebro e os pulmões continuam em constante desenvolvimento. Nesse período que se espera que fiquem já na posição ideal para o nascimento (de cabeça para baixo).

37 a 42 semanas: O bebê já está todo formadinho, agora é a hora em que o cérebro e pulmões amadurecem para poder se adaptar com mais facilidade a vida fora do útero. É também quando o bebê mais ganha peso, aquela gordurinha essencial para ficar bem até aprender a mamar direitinho.

Quando nascem? Quando os pulmões, ultimo orgão a amadurecer dentro do útero, estão 100% preparados para o mundo externo. Por isso mesmo caso você escolha receber seu bebê através de uma cesárea vale a pena aguardar os primeiros sinais de trabalho de parto, evita as chances de problemas respiratórios no bebê e nascimento prematuro.

Trabalho de Parto

Como é o trabalho de parto

O trabalho de parto não começa com dor nas costas
O trabalho de parto não começa com saída de tampão mucoso (aquela meleca linda que como vocês sabem eu amo!)
O trabalho de parto não começa quando a bolsa rompe
O trabalho de parto não começa quando a mulher tem dor de barriga
O trabalho de parto não começa quando a barriga fica dura mas sem dor

Isso tudo pode ser sinais que LOGO (em alguns dias) o trabalho de parto vai começar. Mas trabalho de parto de verdade só com contrações de pelo menos um minuto de duração e intervalo de 3 minutos entre elas. É importante observar se essa frequencia se mantém por uma hora.


giphy

Para tirar a prova aqui vão algumas dicas:

  • Entre no banho quentinho, e fique lá por uma hora, esse é o tempo necessário para que você relaxe e produza o hormônio Prostaglantida, essencial para o inicio do trabalho de parto. Se ainda não for a hora as contrações vão simplesmente parar assim que sair do banho e você poderá descansar.

 

  • Tome um chá de camomila (ou outro relaxante) bem caprichado com uma colher de mel

 

  • Se delicie com um escalda pés. Não precisa ser nada muito elaborado uma bacia com água morna, um punhado de sal grosso já vão te deixar muito mais confortável.

 

  • Caminhe, a movimentação do quadril vai estimular o relaxamento do corpo e a intensificação das contrações

 

  • Namore, carinho nunca é demais e trocas de carinhos com  parceiro podem ser uma ótima forma de estimular o parto, não é necessário penetração, mas todo prazer é sim  bem vindo.

 

Gestação, Saúde

Ultrassom, para que?

É delicioso ver nosso bebê, bracinhos e perninhas pulantes dentro da gente, mas o ultrassom não é uma necessidade mensal. O recomendado em gestações de baixo risco é no máximo 3 ultras. Um em cada trimestre. O Ministério da Saúde preconiza a realização de apenas 2 durante toda a gestação.

Como e quais são?


Ultrassom Obstétrico: A gente só vê peso do bebê, tamanho, quantidade de líquido e placenta.
Ultrassom Morfológico: É o exame que a gente consegue ver as estruturas do bebê por dentro detalhadamente e observar má formações.
Ultrassom com Doppler: Observa-se tamanho dos ossos e funcionamento de coração, placenta e veias.


Quando são feitos


Normalmente entre 4-8 semanas: Ultrassom Obstétrico Transvaginal, é o primeiro exame feito e identifica a idade gestacional através de observação do desenvolvimento de bolsa embrionária, coraçãozinho e peso. Vai ser a primeira vez que você vai ouvir o tum tum do coraçãozinho.

Entre 11 e 14 semanas: Ultrassom Morfológico, principal ultrassom de toda gestação, é o primeiro exame de desenvolvimento do bebê. Pode ser realizado a translucência nucal (ou TN), medida realizada na região da nuca do feto. Esta medida ajuda a estimar o risco do feto ter algumas doenças, entre elas a Síndrome de Down e as cardiopatias congênitas.

Entre 18 e 24 semanas: Ultrassom Morfológico, neste exame será avaliada a formação e o desenvolvimento dos órgãos e das estruturas do bebê, sendo possível observar o crânio, as estruturas do cérebro, a coluna, a face, o coração, o estomago, os rins, o fígado, a bexiga, a genitália externa, os braços , as mãos, as pernas e os pés. A confirmação do sexo do bebê normalmente acontece aqui 🙂

Entre 26 e 28 semanas: Ultrassom com doppler é o ultra mais esperado pelas mães e pais. No exame é possível medir as estruturas ósseas e orgãos do bebê, avaliar seu desenvolvimento, observar o fluxo sanguíneo e funcionamento de placenta e coração.

Apoio nas informações da Dra Natália Carvalho

Doula, Gestação, Parto

Como escolher a Doula?

Qualquer movimento de apoio ao parto humanizado por esse Brasilzão lindo vai falar das Doulas, como elas podem ser um apoio muitas vezes essencial para que o parto seja um momento inesquecível  para o casal. Mas a escolha certa pode fazer toda a diferença.

Mais do que um gasto ou uma pessoa a mais ao seu lado, a Doula ideal é aquela pessoa em quem você confia e se sente segura em ter por perto.

Como escolher?

Indicações

Sua amiga teve uma Doula? Pergunte sobre o parto como foi, como foi a atuação e principalmente pergunte o que essa amiga não gostou no atendimento. O que foi bom para ela pode não ser para você e o mesmo vale nos pontos que ela não gostou.

Busque por Grupos de Apoio

Normalmente Doulas fazem parte de grupos presenciais ou virtuais de apoio ao parto, esse primeiro contato é essencial para se conhecerem. Você pode em poucas conversas sentir se existe ou não uma conexão ali, gastando pouco para isso. Lembre que Doulagem é um trabalho como qualquer outro e o tempo para “conversar e se conhecerem” faz parte desse trabalho, se desejar que seja individualizado ele deve ser remunerado.

Saiba o que esperar

As vezes podemos ver de forma romântica  a figura da Doula, como um ser cheio de amor e servidão pronto para atender às nossas necessidades. Cada profissional tem um perfil único e uma força de atuar, então pergunte de forma clara:

Existem encontros antes e depois da gestação? Qual o tempo de duração, assuntos abordados e valor de cada um.

Qual o momento em que ela estará com você durante o parto?

Lembre que o fluxo de informação sempre deve funcionar +/- assim

Você pesquisa/tem dúvidas => Conversa com a Doula =>  Você recebe orientações

As doulas não vão te dar respostas prontas, ou dizer o que DEVE ou não fazer,  sua autonomia é parte principal do atendimento humanizado (se não for assim você apenas estará trocando o Go fofinho por uma Doula fofinha , te tratando como mãezinha empoderadinha)

Intimidade

Gestação e parto abordam os temas mais tabus da vida moderna, sexualidade, vida e morte. Você se sente a vontade para falar abertamente sobre esses assuntos com essa pessoa?  Ela respeita suas vontades e desejos?

Remuneração

Essa é a parte mais delicada e muito discutida inclusive entre as profissionais. Existem Doulas que cobram vários preços  para que seja possível atender ao maior numero de mulheres e perfis.  Converse sobre as formas de pagamento possíveis, muitas vezes até permutas são bem vindas.

Expectativas x Realidade

Falar abertamente sobre suas expectativas sobre a atuação do profissional evita  que você se sinta frustrada depois do parto. Pontue o que deseja e o que acha importante e escute com atenção o que a profissional está preparada/disposta a oferecer dentro disso.

Conhecimento

As informações que essa Doula passa tem embasamento cientifico atualizado? Peça pelas pesquisas para que você mesma possa ler. Mais importante ainda, ela conhece a realidade obstétrica da sua cidade/região?  Se ela não souber como poderá te orientar no que você pode ou não esperar?

 

Converse com quantas Doulas achar necessário até que encontre a ideal. É perfeito! E vale lembrar, é sempre de bom tom avisar as outras sobre a sua decisão 🙂