Browsing Tag

Amamentação

Amamentação, Puerpério

A amamentação é construída, diariamente

54 dias
Esse é o tempo médio de amamentação exclusiva no Brasil, mesmo quando a recomendação da OMS é de no mínimo 6 meses podendo seguir como complemento até os dois anos de idade, ou mais.

A realidade do dia a dia é que amamentar é difícil, mulheres não nascem sabendo e os bebês também não sabem mamar assim, logo de cara. É uma relação estabelecida diariamente, entre tentativa, erro, muita pesquisa e para as mulheres mais sortudas, muito apoio dentro e fora de casa.

Algumas situações que podem deixar muitas mães de cabelos em pé logo nas primeiras horas depois do bebê nascer, mas que são completamente corriqueiras e podem ser resolvidas com a orientação correta e paciência, muita paciência:#TodasPassamos

=> O leite pode demorar até 10 dias para descer, até lá o bebê vai se alimentar apenas com o colostro.

=> O peito enche, enche muito, fica quente, duro, brilhante e muito, muito dolorido

=> Dor quando o bebê mama, dor muito forte, que depois vira machucados no mamilo que chegam a sangrar

=> Bebê que mama e briga com o peito, não pega, não suga, morde, puxa

=> O peito parece estar vazio, murcho, a mãe tenta tirar leite com a mão mas não sai u-m-a_ú-n-i-c-a_ g-o-t-a

=> Bebê chora muito, dia, noite, madrugada, e se encontrasse outro horário no dia, choraria também.

Mamadeira e chupeta não são solução, costumam sim ser as principais vilãs e responsáveis pelo desmame prematuro.

Mesmo com tudo isso (e se você souber de mais alguma dificuldade conta aqui pra gente!) é possível amamentar, é PRAZEROSO para mãe e bebê, evita a obesidade, fortalece a musculatura facial do bebê, oferece toda imunização que ele precisa já que nascem sem sistema imunológico próprio formado, entre muitas outras coisas.

Amamentar é mais que um ato de amor, é um ato de resistência. Não desista, você não está só.

PS: Um blog maravilhoso sobre amamentação é esse aqui (http://grupovirtualdeamamentacao.blogspot.com.br/) não canso de indicar. Parabéns pelo trabalho Grupo Virtual de Amamentação

Maternagem

Mãe- a rainha da Po*** toda

Nós temos o instinto materno…

Quando nasce um bebê também nasce uma mãe

A mãe sabe, sente dentro dela o que o bebê precisa

 

Olha, pode ser verdade para alguma mulher, mas nenhuma dessas frases representa a maternidade real. Não.

Mães são rainhas, Deusas e se tornam absolutas. Rainhas da Po*** toda!

Mas não, ninguém nos entrega um reinado, uma coroa cravejada de papinha e alguns fios brancos, assim de mão beijada. Conquistamos a realeza da maternidade com a audácia e loucura dignas de Ragnar Lodbrok, com tempos de calmaria e festa e lutas gigantescas.

Ragnar para inspirar seu dia

Ragnar para inspirar seu dia

Começamos logo na gestação, encarando sombras e esqueletos escondidos no meio dos nossos próprios medos e inseguranças.  Vencemos, cada uma a sua forma. SIM NÓS VENCEMOS SEMPRE.

Criança nasceu, o parto passou (ufa! o dia mais temido e esperado dos últimos quase dez meses)

É agora que você deveria chegar em casa, ser recebida com tapete vermelho, flores frescas, agua aromatizada geladinha do lado da cama.

Mas a maternagem, minha querida amiga, a maternidade SIM é uma caixinha de surpresas. E logo de cara temos um reino para conquistar e ele se resume ao ser pititico nos seus braços.

A primeira batalha, sem sombra de dúvidas é a amamentação;

Se mantenha tranquila, o bebê é capaz de sentir suas emoções e vai reagir à elas

Não exite em tirar o peito da boca do bebê, não tenha piedade, esses olhos grandes e lindos não devem te tirar do foco: Uma pega perfeita.

Oferece peito, tira peito…

Faz bocão…

Olha a boca de peixinho! Conseguiu!

A Segunda batalha, sem dúvida alguma é contra a exaustão, o bebê pode ficar um número incrível de horas plugado no seu peito, eu sei, não tem jeito ele precisa disso, precisa de você e você precisa dele e mais uma ou duas semanas de sono ininterruptas.

Esse é o ponto onde se pede apoio, onde já se viu uma grande rainha sem súditos?

Marido, parceiro, amiga, mãe, sobrinha, doula.

Vale ajuda de todos.

Não para cuidar do bebê, isso eu sei, você sabe, que pode fazer com maestria.

Mas aquela força para deixar as roupas em ordem, a casa arrumada, supermercado em dia é fundamental! Assim quando o bebê dormir, você pode dormir também o sono dos justos.

Terceira e pior luta é contra os “E SE’S”, “E se ele não está ganhando peso suficiente”, “E se esse coco não é saudável”, “E se ele dormir demais e não mamar nas próximas 3 horas”, “E se ele adoecer”.  Amada… são tantos E SES que podem vir na nossa cabeça cansada, não é verdade?

Mas isso tudo é amor, é amor demais da conta que a gente tem no peito, amor tão grande que quer ser maravilhosa e evitar que qualquer coisa não seja menos do que FABULOSA na existência daquela pequena criatura que você pôs no mundo.

Acontece que você, rainha da po*** toda, não tem esse poder. Porque a vida é pra ser vivida e aprendemos isso desde o inicio.  Para um bebê muitas vezes um pum é incomodo. Crescer dói, a gente aprende com erros, com tentativas e falhas, surpresas. Com seu bebê não vai ser diferente.

Sua função nessa vida não é colocá-lo numa bolha protetora, mas estar de braços abertos para acolher quando eles precisarem, orientar, ensinar e deixar ir. Deixa viver.

Antes de se angustiar, olhe para seu bebê, sinta sua temperatura, seu cheirinho e pergunte para você mesma, mais uma vez: tem realmente alguma coisa errada aqui?

Nessa fase o apoio de outras mães é fundamental, ninguém entende melhor uma mãe do que outra, principalmente se estiverem travando a mesma batalha. As vezes tudo o que a gente precisa é só desabafar.

As lutas seguem, há quem afirme que os primeiros 50 anos de maternagem são os mais complicados, mas que depois disso tudo segue com muita serenidade.

Ainda bem!

 

 

Amamentação, Saúde

Nosso TOP 10 curiosidades sobre o LM

“GOT MILK” foi uma campanha norte americana que literalmente estimulava o consumo de leite com celebridades das telonas ostentando um lindo bigodinho branco.

o-gotmilk-facebookE é nessa linha divertida e saudável que vou falar hoje sobre o Leite Materno e algumas maravilhas curiosidades.

(Para não ficar repetitivo aqui, vou usar a sigla LM para leite materno, ok?)

 

 

  1. A OMS recomenda que até os 6 meses de idade o bebê consuma LM exclusivamente e que continue a consumir até pelo menos os dois anos de idade
  2. Você pode utilizar o LM para cicatrizar assaduras, depois de lavar o bumbum do bebê com água e sabão passe algodão embebido em LM nas partes vermelhas e deixe sem fralda por alguns instantes Tira com a mão todo vermelhão
  3. Sabe aquela conjuntivite chata que a maioria dos bebês tem quando nascem? Algodão com LM nela, sempre passar do sentido das têmporas até o nariz e não utilizar o mesmo algodão para os dois olhos
  4. SEDE, sim melhor forma de bebês matarem sua sede é com o leite anterior (o primeiro que sai) que costuma ser rico em líquidos e nutrientes mas com baixa concentração de gordura
  5. Engorda, depois do primeiro leite que mata a sede, o corpo produz o leite Posterior, rico em gorduras e maravilhoso para auxiliar no ganho de peso do bebê. Você pode inclusive ordenhar um pouco a mama para descartar o primeiro leite e oferecer o peito em seguida.
  6. Melhor remédio do mundo, é beijo de mãe seguido de LM. Quando a mãe beija o bebê absorve também vírus e bactérias presentes, isso faz com que seu corpo produza anticorpos específicos que PASSAM DIRETO PARA O LEITE e fazem o bebê sarar rapidinho . Mães são farmácias ambulantes.
  7. Mães adotivas e até avós são capazes de produzir LM, através do auxílio de uma sondinha e um copo com leite, processo conhecido também como Relactação através de sonda.
  8. O Colostro, primeiro leite que sai após o parto, é riquíssimo em anticorpos e essencial para a saúde do recém nascido que tem seu sistema imunológico completamente em branco.
  9. Apojatura , ou descida do leite, pode acontecer até 7 dias depois do parto.
  10. Quanto mais o bebê mamar, mais o peito vai produzir leite (isso vale para qualquer tipo de retirada do LM)

1393264132000-xxx-do-people-laramilk-17-got-milk

Incrível, não é? E tudo isso sendo produzido no nosso corpo gratuitamente e na melhor qualidade. Não tem complemento no mundo que supere o Leite Materno.

 

Se você quer ler muito mais sobre indico o GVA (Grupo Virtual de Amamentação) Blog incrível que aborda a amamentação com embasamento cientifico e muita empatia.

Diversão e Relaxamento, Doula

Massagem reduz tempo de duração de parto

Acompanhar a mulher durante a gestação e parto é muito mais que uma função ou profissão, é sem dúvida um dom acompanhado de muito estudo.

 

E não existe coisa melhor do que massagem de doula.

Durante a gestação

  • Auxilia no relaxamento
  • São profissionais que conhecem a fisiologia do parto e que não realizarão manobras que interfiram no bem estar mãe-bebê
  • Conhecem os pontos de maior tensão e como aliviá-los
  • São capazes de orientar acompanhantes e parceiros em como aliviar as tensões também em casa
  • A doula pode realizar as massagens juntamente com exercícios de respiração e aromaterapia para potencializar os resultados
  • Ajudam a diminuir inchaços, muito comuns no terceiro trimestre

Durante o trabalho de parto e parto

Nem toda mulher gosta de ser tocada durante o trabalho de parto, isso é importante sempre lembrar, mas para quem gosta um estudo global (Klaus & Kennel, 1993), aponta  que a presença da Doula no trabalho de parto traz benefícios eficientes também para a redução de 60% nos pedidos de analgesia peridural.

  • Auxilia no alívio das dores durante o trabalho de parto
  • Proporciona relaxamento e diminuição da ansiedade
  • Auxilia no bom posicionamento do bebê
  • Aumenta o vinculo entre o casal (em vista que os movimentos são ensinados também ao acompanhante)
  • Podem auxiliar na redução do tempo do trabalho de parto (mãe relaxada, trabalho de parto fluído!)

 

Durante a Amamentação

As mãos de fada auxiliam até nesse momento único, apesar de pouco falado sobre o assunto a doula pode também auxiliar a tornar mais fácil e prazeroso essa fase quase esquecida durante a gestação.

  • Pode ensinar a mãe massagens de alívio de dores nas mamas
  • Auxilia na ordenha
  • Pode ajudar a aliviar tensões musculares em braços, ombros e pescoço. Além de indicar posições favoráveis para que elas deixem de existir.

 

Não é a toa que as Doulas são conhecidas por suas mãos de fada <3

 

Amamentação

Amamentei, na medida da minha informação

Pode soar como um desabafo, quase um pedido de desculpas, direcionado à quem?

A OMS recomenda o aleitamento materno exclusivo até o sexto mês de vida do bebê e que se mantenha até os dois anos ou mais. A Organização Mundial da Saúde faz essa recomendação.

Mas e na prática?

No Brasil, 67,7% das crianças mamam na primeira hora de vida e a duração média do aleitamento materno exclusivo é 54 dias. Além disso, 41% dos menores de 6 meses tiveram alimentação exclusivamente por leite materno. Fonte EBC Agencia Brasil

Na prática o aleitamento materno segue os meses na corda bamba, entre sorte, palpites, muita hipocrisia e muitos profissionais da saúde mal informados.

Não saí do hospital sabendo amamentar, colocaram minha filha nos meus braços, meu peito dentro da boca dela, sorriram e disseram “Está ótimo mãe! Parabéns”

Saímos da maternidade, minha filha com uma chupeta na boca. Eu não sabia, não sabia que poderia prejudicar nossos processo de conhecimento e aprendizagem, não sabia que aquela chupeta inocente poderia ser uma grande pedra no nosso caminho. Mas seguimos.

Em casa, com as mamas febris, chorava escondida, minha filha mamava mas nunca parecia satisfeita. Eram várias mamadas, eram muitas horas, eram muitos choros era muita angustia.

Não me receitaram ajuda, receitaram uma lata cheia de um pó que “tinha tudo o que meu bebê precisava”

Olhar para a lata, fechada ainda no armário, era como se eu declarasse minha derrota. “Ok mundo, você venceu, não sou capaz de nutrir minha filha!”

Chorei

Mas reagi, não aceitei minha suposta derrota, busquei quem sabia, mas sabia mesmo o que eu estava passando.

Fui ouvida, me abraçaram sem pressa, abraçaram meu cansaço e meu medo e disseram “está tudo bem”.

Não sai com nenhuma fórmula mágica, nem soluções mirabolantes. Me apresentaram apenas meu corpo, apresentaram a minha filha e me explicaram como nós combinávamos perfeitamente e poderíamos fazer dar certo, juntas.

Nosso caminho foi suave diante de tantas histórias que conheço de mulheres que ouviram e ainda ouvem que “Amamentar mesmo sangrando é bom”, “Normal sofrer para amamentar”, “Seu leite é fraco”, “Seu bico tem problema”, “Seu bebê passa fome”. Queria ter braços suficientes para oferecer a cada uma delas. Eles não sabem de nada, não sabem mesmo.

Se você não tiver a mesma sorte que eu, não conseguir encontrar quem te estenda os braços e te mostre como pode ser linda a amamentação, vamos conversar, vamos juntas fazer isso acontecer.

Você e seu bebê merecem viver em plenitude esse momento.

Cinquenta e quatro dias*, seis meses, um ano, dois ou até mais. Nós amamentamos na medida da nossa informação.

 

*Cinquenta e quatro dias é a média nacional de amamentação exclusiva no Brasil.

 

Fonte: http://www.redeblh.fiocruz.br/media/pamuni.pdf

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2015-05/ministerio-lanca-campanha-de-doacao-de-leite-materno-para-bebes-prematuros

 

Amamentação, Maternagem

Perda de peso do bebê não é problema

De acordo com a fala de Jack Newman, é um erro relacionarmos diretamente a perda de peso do bebê recém nascido a problemas de saúde ou na amamentação.

Isso porque essa alteração de peso pode acontecer por vários fatores como:

  1. Intervenções durante o parto, o uso de solução líquida intravenosa na mãe reflete também no bebê que receberá mais líquidos e após nascer vai eliminar esse excesso através do xixi
  2. Pesagem em balanças diferentes/desreguladas, o mesmo bebê pode apresentar falsas diferenças de peso significativas em segundos apenas por utilizarmos balanças diferentes
  3. Anotação equivocada, pode acontecer do peso ao nascer ser anotado errado, falhas humanas são possíveis

Antes de qualquer medida externa ser tomada, dar fórmulas ou complementos, foi recomendado fortemente o Apoio e Estimulo à amamentação.

Jack Newman apresentou de forma bem irreverente vários casos onde o problema se resumia a mamadas “pobres”, ou seja, pelo bebê estar mal posicionado no peito, ou o fluxo de leite ser tão pouco  que as mamadas não eram suficientes para alimentar o bebê como necessário.

Para aumentar a Qualidade da mamada (diferente de quantidade!)

  • OBSERVE se o bebê está sugando bem, o queixo dele vai se mover para cima e para baixo a cada gole, bochechas ficarão cheias e é possível ouvir os “guts guts” *sem som de ar
  • Atenção na posição do bebê no peito, a pega correta é fundamental, “boca de peixinho” e queixo do bebê encostando no peito são pontos a se observar
  • Esqueça o papo de “vinte minutos em cada mama”, deixe o bebê mamar até diminuir o ritmo e então troque.sonda de amamentação
  • Bebê que dorme no peito, morde ou briga com o peito pode ser um sinal que o fluxo de leite está pouco, você pode comprimir a mama como na ordenha manual enquanto o bebê suga, isso vai estimular a produção e aumentar o fluxo, se mesmo assim o bebê parecer inquieto, ofereça a outra mama.
  • CALOR, se o bebê estiver muito quente eles acabam dormindo antes mesmo de mamar tudo que precisavam
  • Em caso de baixa produção a mãe pode recorrer ao uso de uma sonda para estimular a produção e o bebê a sugar corretamente.
  • A mãe está se alimentando bem e ingerindo a quantidade suficiente de líquidos? O apoio de um nutricionista pode ser maravilhoso para essas adaptações. Mãe saudável = bebê saudável.

 

Amamentação é uma fase longa de persistência e muita dedicação, informação e paciência são fundamentais. Não entre em desespero, confie no seu corpo, observe seu bebê e procure um profissional especializado (pediatras e nutricionistas não valem. Especialista em Amamentação!)na área para te orientar caso esteja muito difícil.

Empoderamento, Maternagem

Não é Favor, é direito #2

Já postei aqui sobre as leis que atendem à gestante, durante a gravidez e parto.

Vamos dar continuidade? Conhece as leis que  defendem seus direito e do bebê depois do nascimento?

 

Depois do nascimento do Bebê

Desde março desse ano, o registro em cartório do nascimento do bebê pode ser feito pela mãe, independente da presença do pai. De acordo com a Lei 13.112, sancionada pela presidente Dilma Rousseff.

Ao voltar à trabalhar a mulher tem direito a dois descansos diários de 30 minutos para amamentação: até a criança completar seis meses de vida. Quando o exigir a saúde do filho, o período de 6 (seis) meses poderá ser dilatado, a critério da autoridade competente. (art. 396 Consolidação das Leis do Trabalho- Decreto Lei 5452/43)

Estabilidade no emprego: o que significa que do momento da confirmação da gravidez até cinco meses após o parto a gestante não poderá ser demitida sem justa causa.

Ampliação da licença-maternidade por 60 dias: a critério da empresa, desde que a mesma faça parte do Programa Empresa Cidadã (Lei 11.770/08). Leia na íntegra aqui

Aos pais empregados a lei assegura a licença paternidade que consiste no afastamento do trabalho durante cinco dias corridos, a contar da data do nascimento da criança; sem prejuízo do salário durante o período de afastamento. Leia na íntegra aqui

Toda criança tem o direito de nascer e se desenvolver em ambiente seguro. E isso só é possível se ela tiver uma gestação saudável, assistência adequada no durante o parto e seus direitos respeitados. Pode saber mais sobre o direito da criança assegurado pelo ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) lendo aqui

Fontes:

http://www.brasil.gov.br/

http://www.planalto.gov.br/

https://mahpsorocaba.wordpress.com

http://www.sgc.goias.gov.br/upload/links/arq_818_guia_direitos_gestante-bebe.pdf

http://www.cremego.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=21000