Browsing Tag

Parto

forceps
Parto

Fórceps, como funciona

Não tem romance, o parto a fórceps com certeza não está nos sonhos de nenhuma mulher que planeja viver o parto normal.
Acontece que quando bem utilizados o fórceps ou o vácuo-extrator podem ser decisivos para um bom desfecho no parto.

Quando são utilizados
Normalmente em trabalhos de parto com período expulsivo longo, quando a mãe já tem dilatação total, e os batimentos do bebê se tornam instáveis. O Sofrimento fetal é identificado através do monitoramento bem feito dos batimentos cardíacos do bebê e ele precisa ser retirado com rapidez.

O fórceps pode ajudar também em casos de desproporção cefálica relativa, quando a descida para em um ponto baixo e deixa de evoluir.

Pela posição já baixa do bebê (profundamente encaixado) os riscos de utilizar o fórceps ou um extrator a vácuo podem ser muito menores do que se recorressem a uma cesárea de emergência.

Contra-indicação
Utilização por profissional não capacitado
Uso indiscriminado (rotina) sem avaliação individual de caso

Vamos comparar?

  • O Fórceps
    Uso de anestesia sempre
    Frequente lesão de face
    Falha menos 

 

  • O extrator a vácuo
    Varia o uso de anestesia
    Cefalematoma maior
    Maiores chances de falha

 

Fonte: http://estudamelania.blogspot.com.br/2015/03/parto-instrumental-forceps-e-vacuo.htm

Doula atuando
Doula

Doula, jogue fora sua bolsa

Eu aqui sou cheia de manias desde 2014, quando fiz o Revelando Doulas, minha maior preocupação a partir desse dia passou a ser montar a minha “Bolsa de Doula”

Pesquisei várias coisas que poderia utilizar: elásticos para o cabelo da gestante, touca para banho, pente, óleos essenciais caros, óleos vegetais puros para massagear, bolsa térmica, bolsa de sementes, redinha para pescar , luz colorida para usar como terapia alternativa, caixa de som portátil com wifii, bolas suiças, livros de orientação, Epi-no que pedi para trazerem direto da Alemanha…

Passei a estudar muito também, quase em uma corrida contra o tempo, estudava um assunto e publicava minhas descobertas no blog, em um caderno a parte fazia minhas marcações que deixo guardadas para estudos depois.

Aos poucos fui reduzindo meu arsenal, nunca gostei mesmo de levar muitas coisas comigo seja dentro ou fora do parto.

Mas eu tinha um apego ímpar pelos meus óleos essenciais… Ah como eu acreditava que eles eram mágicos!

 

Laranja para dar energia e reduzir enjoos

Lavanda para relaxar e descansar

Gerânio para liberar as emoções

Hortelã pimenta para auxiliar nas dores musculares de ombros, quadris, pernas e braços

Sálvia esclareia, a mágica expulsadora de bebês e placentas que demoram a dequitar

 

Até o dia, o lindo dia, em que um bebê adiantou seu nascimento e meus óleos preciosos tinham acabado. Minha encomenda ainda levaria uns dias para chegar…

Cheguei na casa dela triste, angustiada. Como eu ia oferecer um bom trabalho seus meus óleos?

Pedi desculpas logo de cara. Ela sorriu e disse que tudo bem.

Eram 4:30 de uma manhã úmida quando o Frederico resolveu nascer. Ficamos todos muitas horas juntos. À noite ele foi recebido e ninado nos braços dos pais.

Durante todo esse período me peguei correndo os olhos para a minha bolsa desejando ter uma das minhas poções secretas, eu precisava delas. Até que um momento eu percebi isso.

Era eu quem precisava.

Foquei na parturiente, foquei nela, na sua força e no seu cansaço. Me entreguei ali sem pensar em concertar nada, ajudar nada, não havia nada que eu tivesse para melhorar. Ela dançava e cantava sua própria música de parir, cabia a mim apenas acompanhar seus movimentos e amparar quando ela precisasse.

Foi o que fiz.

Dias depois voltei vê-los com um medinho por dentro semelhante a quando somos criança se sabemos que fizemos algo errado, fui esperando algum feedback negativo sabe? Conversamos bastante eu e a mãe sobre a ultima semana, sobre o Fred, sobre o parto.

E confesso meus olhos marejaram tanto que as lentes dos óculos se tornaram embaçadas, algumas lágrimas escorreram ao ouvir dela: “SAm, sua presença fez toda diferença, eu sabia que estava tudo bem de olhar para você e ver a sua calma. E mesmo quando eu não acreditei em mim você estava lá sorrindo, acreditando mais do que eu.”

Não foram meus óleos, nem minhas massagens, nem meu rebozo lindo que comprei no Siaparto desse ano. Foi a presença e a segurança.

Obrigada Luiza, por essa linda lição:

A ferramenta mais importante de trabalho de uma Doula fica do lado de dentro.

tampao
Sinal de Trabalho de Parto

Meleca e sangue? Tampão!

Toda Doula “é meio maluca”, tem seus trejeitos, tem sua personalidade bem delineada, sua forma de trabalhar e servir.

E tem também suas manias e amores no mundo do parto/doulagem.

Quem me acompanha no facebook sabe que a minha maluquice, amor, xodó, apego, encantamento é por TAMPÕES.

“Mas SAm, como assim?”

O Tampão mucoso é das coisas mais incríveis que podem existir antes do parto. Vou explicar aqui rapidinho e aposto que até o final do post você vai estar/ser tão apaixonada por eles quanto eu. Vamos lá.

O QUE É O TAMPÃO

Colo do útero grosso e sem dilatação

Colo do útero grosso e sem dilatação

Ele é nada mais, nada menos, do que uma “rolha” feita de meleca semelhante a muco nasal (vulgo ranho/meleca de nariz) Sim!

A função principal do tampão é proteger o interior do útero de qualquer bactéria ou sujeira que possa existir fora dele. O colo do útero tem naturalmente uma abertura pequena, que é vedada pelo tampão durante toda a gestação.

Ele pode ser transparente, levemente esverdeado ou amarelado.

A consistência também pode variar, para bem liquido (semelhante ao período fértil) ou bem espesso, parecendo uma gelatina.

 

 

 

 

 

 

AI que nojo, quando isso sai?

Colo do útero dilatado- ou apagado

Colo do útero dilatado- ou apagado

Deve ser até crime em algum país desse mundo ter nojo do tampão, não fala assim poxa.

Como ele tem função protetora e serve como uma rolha vai sair conforme o buraquinho que ele protege ampliar.

OU SEJA! <3 

O tampão é dos primeiros sinais que a gente pode ver fácil fácil que o parto está próximo e que o o colo do útero já começou a se preparar para o parto.

Já se apaixonou por ele?

Não?

Calma, tem ainda mais!

O colo do útero quando dilata costuma ter um leve sangramento, o tampão como reveste todo o colo internamente vai sair em maior quantidade e com filetes ou bem ensanguentado nesses casos.

O tampão é uma forma simples de você saber que seu parto está evoluindo e que está tudo bem.

Dá para termos uma noção de como “as coisas estão” só através da observação

Pouco muco no papel e transparente: Provável que ainda leve algumas semanas para o parto

Pouco muco e marrom: Provável que o colo tenha trabalhado um pouco, através de contrações de treino ou mesmo pelo peso do bebê. Nada com o que se preocupar.

Muito Muco sem sangue: EBA! Está perto, provável que o parto ocorra em até uma semana.

Muito Muco com sangue: Provavelmente colo está dilatando consideravelmente, se a mãe não está sentindo nenhuma contração provável que comece em pouco tempo, o parto pode ocorrer nas horas/dias que seguem.

 

E essa é minha -ainda humilde- coleção de tampões, cada um deles enviado pelas donas como presente que eu óbvio amei. Manda mais que tá pouco ainda gente!

depressão gestacional, puerpério
Gestação, Maternagem, Puerpério, Saúde

Depressão e Maternidade – Vamos falar sobre isso?

Engravidar, no consenso geral, é sinônimo de alegria.

Ah que bonito!

Uma nova vida sendo gerada, uma família que está crescendo.

Acontece que junto com esse novo ser, cheio de fragilidade e amor, vem uma série de mudanças intensas na vida de todos os diretamente envolvidos. Principalmente na vida dessa mulher que no decorrer de 9 meses deixará de ser filha para se tornar mãe e plenamente responsável por outra vida além da sua.

Sentimentos como ansiedade, angustia, insegurança, medo, solidão, parecem não fazer parte do vocabulário aceitável da gestante para os outros meros mortais.

Não podemos senti-los?

Podemos sim! Podemos muito e deveríamos poder falar sobre esses sentimentos abertamente.

Infelizmente são poucos os ambientes que vão acolher sem julgamentos, mas o erro é deles, não nosso.

No pós parto, com noites seguidas mal dormidas, alterações corporais e hormonais a avalanche de sentimentos pode se tronar ainda mais intensa e densa.

Vamos ser honestas? Parece que parte da gente morreu, morreu e se perdeu. Agora dentro da gente (daquela barriga ainda grande e oca) vive um luto, embebido em lágrimas e leite.

E tudo bem. Ninguém é monstro por isso ou uma péssima mãe.

Aqui o que salvou de me afogar dentro de mim mesma e do monte de expectativas e cobranças que colocaram e coloquei sob mim e a maternagem no geral foi falar.

   1- Primeiro parei de mentir para meu médico, dizendo que estava tudo bem

“Olha Dr, tá HORRÍVEL, mas ta ruim MESMO. Eu estou com medo, acho que não vou dar conta, estou comendo compulsivamente e todos os dias eu choro pelo menos por uma hora. Me odeio por sentir assim e sei que faço mal a minha bebê estar assim, não aguento mais”

2- Depois falei para meus amigos (Aliás foram meus amores, me acolheram de uma forma que ainda hoje meus olhos ficam marejados)

“Não to bem gente, não quero sair para balada com vocês mas me sinto só. Será que rola fazer coisas em casa como “esquenta” e dai vocês saem?”

 3-Abri a real para minha família

“TudoQueVocêPodeImaginar e muitas muitas lágrimas”

 4- Encontrei um terapeuta para chamar de meu

Mesmo que todos ao meu redor aparentemente tenham me entendido, não eram pessoas imparciais, que poderia falar o que eu sinto sem medo de ferir os sentimentos deles ou ser julgada. Eu precisava disso, precisava por para fora e as sessões de terapia foram maravilhosas para minha saúde física e emocional.

 5- Entendi e aceitei  

  • Que a gestação e maternagem não é comercial de margarina.
  • Tudo bem chorar, minha filha não seria infeliz por isso, só ia saber que a mãe dela é humana
  • Que meu empoderamento teria que ser para tudo na minha vida, porque eu mesma era minha maior força
  • Ficar de pijama por dias seguidos, tudo bem, mas banho e escovar os dentes é fundamental
  • Estava passando por uma fase dura como nenhuma outra que já tinha vivido até então, mas muitas outras mulheres também passaram pela mesma fase e conseguiram seguir em frente, tinha fim! A minha também teria.

 

Bem, esse foi daqueles textos doloridinhos para sair… mas que aqui me aliviou a alma, mais uma vez, falar sobre isso. Espero que minhas palavras tenham chego ai em forma de abraços demorados e um sincero “estamos juntas”. Depressão gestacional, Baby Blues, Depressão pós parto, fazem parte do pacote, mas nunca deveriam ser enfrentados sem apoio.

 

 

 

 


 

Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio. Têm se a estimativa que no Brasil todos os dias em média 35 pessoas cometam suicídio todos os dias, o que o torna mais letal do que o Câncer e a Aids no nosso pais. 9 a cada 10 suicídios poderiam ser evitados, com conversas francas e apoio de profissionais qualificados.

Fonte: http://www.setembroamarelo.org.br/


 

massagem para gestantes
Diversão e Relaxamento, Doula

Massagem reduz tempo de duração de parto

Acompanhar a mulher durante a gestação e parto é muito mais que uma função ou profissão, é sem dúvida um dom acompanhado de muito estudo.

 

E não existe coisa melhor do que massagem de doula.

Durante a gestação

  • Auxilia no relaxamento
  • São profissionais que conhecem a fisiologia do parto e que não realizarão manobras que interfiram no bem estar mãe-bebê
  • Conhecem os pontos de maior tensão e como aliviá-los
  • São capazes de orientar acompanhantes e parceiros em como aliviar as tensões também em casa
  • A doula pode realizar as massagens juntamente com exercícios de respiração e aromaterapia para potencializar os resultados
  • Ajudam a diminuir inchaços, muito comuns no terceiro trimestre

Durante o trabalho de parto e parto

Nem toda mulher gosta de ser tocada durante o trabalho de parto, isso é importante sempre lembrar, mas para quem gosta um estudo global (Klaus & Kennel, 1993), aponta  que a presença da Doula no trabalho de parto traz benefícios eficientes também para a redução de 60% nos pedidos de analgesia peridural.

  • Auxilia no alívio das dores durante o trabalho de parto
  • Proporciona relaxamento e diminuição da ansiedade
  • Auxilia no bom posicionamento do bebê
  • Aumenta o vinculo entre o casal (em vista que os movimentos são ensinados também ao acompanhante)
  • Podem auxiliar na redução do tempo do trabalho de parto (mãe relaxada, trabalho de parto fluído!)

 

Durante a Amamentação

As mãos de fada auxiliam até nesse momento único, apesar de pouco falado sobre o assunto a doula pode também auxiliar a tornar mais fácil e prazeroso essa fase quase esquecida durante a gestação.

  • Pode ensinar a mãe massagens de alívio de dores nas mamas
  • Auxilia na ordenha
  • Pode ajudar a aliviar tensões musculares em braços, ombros e pescoço. Além de indicar posições favoráveis para que elas deixem de existir.

 

Não é a toa que as Doulas são conhecidas por suas mãos de fada <3

 

13645351_1613039015653964_8372662075152729055_n
Empoderamento, Parto

Como é parir em uma casa de Parto?

Casa de parto no estado de São Paulo temos tres, duas ficam na capital, Sapopemba (na zona Leste) e a casa Angela (na zona Sul) E você pode ler um texto muito bom sobre elas nesse post aqui .

Mas para quem mora no Interior de São Paulo, pode se tornar inviável recorrer a qualquer uma delas, foi pensando nisso que surgiu a 170lm da capital a primeira Casa de Parto particular do interior, Opima.

Se você deseja ter seu bebê lá, antes de mais nada, é importante participar das palestras realizadas mensalmente, temas relacionados à gestação e parto são desenvolvidos em grupos por profissionais locais capacitados. Ao final das palestras se você desejar pode também fazer um tour e conhecer a suíte de parto, com hidro, chuveiro, jardim de inverno e teto estrelado <3

Você pode também participar dos cursos de preparo ao parto oferecidos, são 4 módulos com 3 horas de duração cada, que abordam de forma prática e intima cada aspecto do parto. Você pode conferir os cursos oferecidos aqui.

O pré natal é feito pela enfermeira obstetriz responsável pelo acompanhamento na casa, a consulta dura em média 1 hora a 1:30 e é pré agendada sempre, não dispensa o acompanhamento médico, recomenda-se o pré-natal com a obstetriz como complemento à um bom pré-natal.

 

O atendimento ao parto funciona 24h, e conta com :

Duas enfermeiras Obstetras

Doula*de livre escolha da gestante

Neonatologista

Ambulância de prontidão na porta  (caso seja necessária a transferência para hospital)

 

E o PARTO?

Desde a 36 semana toda equipe já está a sua disposição, para tirar dúvidas ou qualquer necessidade a qualquer hora do dia ou da noite. Assim que as contrações vem de forma contínua, mesmo que ainda sem ritmo certinho, a sua doula já estará com você se assim desejar.

Quem dita a hora de ir é até a casa de parto é a parturiente, dentro das evidencias cientificas atualizadas a respeito já que a assistência clínica durante o trabalho de parto ativo é fundamental.

Toda equipe já estará esperando por você, a suite de parto ficará da forma que determinar no plano de parto , que é respeitado na integra, com música, com flores, com aromas, com/sem luz e é possível deixar ela ainda mais com ar de “casa da gente” com itens pessoais pelo ambiente.

A cada hora os batimentos fetais são verificados, entre e durante as contrações, pelas enfermeiras obstetras. Os exames de toque são mínimos e sempre acontecem  apenas após o seu consentimento.

O período expulsivo, pode ser em qualquer lugar e posição que você se sentir a vontade (banheira, banqueta, cama, sustentada pelo tecido, etc)

E a recepção do Bebê?

O bem estar do bebê ao nascer é assegurado pela Neonatologista, que deixa mãe bebê a vontade nos primeiros minutos de vida para que o imprint aconteça com todo respeito que o momento demanda. A pesagem e medição são feitas no quarto mesmo, à vista dos pais.

Caso exista qualquer complicação os primeiros socorros são oferecidos imediatamente já que a clinica conta com todo equipamento necessário (desde material de cateterismo umbilical até material para intubação)

 

O que Rola e o que NÃO ROLA 

  • Livre movimentação todo o tempo
  • Empurrarem sua barriga para ajudar o beber a descer (Kristeler)
  • Liberdade para comer e beber o que desejar
  • Jejum durante todo o TP
  • Ficar no chuveiro quentinho até enjoar
  • Permanecer deitada todo o TP
  • Parir na hidromassagens Like a DIVA
  • Ter que usar a camisolinha da vergonha e mostrar o bumbum para todo mundo
  • Parir com apoio da banqueta de parto
  • Parir na posição frango assado
  • Ter quantos acompanhantes você desejar
  • Brigar para poder ter pelo menos seu marido perto de você
  • GRITAR o quanto você quiser
  • Anestesia peridural
  • Receber massagem com óleos quentinhos
  • Pique, cortinho ou para os mais íntimos: Episiotomia
  • Ambiente todo preparado a base de aromaterapia
  • “sorinho” para ajudar o bebê a nascer
  • Risadas e conversas boas
  • Exames de toque de hora em hora
  • Relaxar sob um teto estrelado
  • Separação mãe-bebê para procedimentos com o recém nascido
  • Atenção exclusiva à parturiente
  • Fómula nas primeiras horas de vida
  • Respeito a cada minuto do seu parto, sem prazos
  • Apoio à amamentação nos primeiros minutos de vida e em todos os outros

 

Onde fica: Av. José Gomes de Camargo, 400, Jd. Marabá – Itapetininga, SP

Telefone:(15) 3273 2249

 

Aqui vão algumas fotos do lugar para você morrer de vontade de parir lá conhecerem melhor

 

 

 

 

 

tobogã de bebê
Diversão e Relaxamento, Parto, Trabalho de Parto

A diferentona: Tobogã de bebê

Quem é que engravida e pensa imediatamente “Nossa quero um trabalho de parto beeem longo, umas 30 horas. Assim posso ouvir toda a playlist que eu fiz, comer todas as minhas guloseimas preferidas, dá para ficar na piscina, na cama, banqueta… ai vai ser demais!”

Eu, particularmente, ainda não conheci. ~mas se você é dessas se manifeste!~

O que acontece que a gente engravida já sonhando em ser a diferentona do parto, a tobogã de bebê, aquela que espirrou e bebê saiu voando praticamente. Único problema que essa meta é bem mais difícil de ser atingida. Querida leitora, se é seu primeiro parto, escreva esse sonho lindo de parto quiabo em um papelzinho bonito e guarde em uma gavetinha, depois do seu parto real você vai lá e lê esse papelzinho, aposto que irá rir muito ainda…rs

Lembra que segunda eu falei aqui: “Cada parto tem seu tempo para durar, cada minuto é importante, cada contração é importante”

Mas tem algumas coisas que podemos fazer para manter fluidez e tranquilidade do trabalho de parto, lembre sempre de manter as posições pelo tempo de 3 contrações pelo menos.

  • Deambular: andar com o quadril bem solto rebolando bastante
  • Respiração profunda e pausada:  inspira em 5 tempos, segura 5 tempos e solta em 5 tempos
  • Posição de 4 apoios (muito carinho e cuidado com os joelhos)
  • Posição de 4 apoios mas com braços dobrados sob a superfície e cabeça deitada sobre eles, quadril bem solto e para cima
  • Uso de Reboso nos quadris
  • Deitada de “ladinho” a mãe pode também com a ajuda de alguém apenas levantar a perna que está por cima, trazendo levemente para frente, durante a contração. Depois abaixa a perna e descansa um pouquinho até a próxima.
  • Depois de cada mudança de posição faça círculos com o quadril, para ajudar a relaxar todos os músculos, preste atenção em como eles ficam quando tensos e quando relaxados e ao perceber tensão, respire beeem fundo e solte.

Por favor, não vá fazer essa lista em sequencia! São sugestões, e você pode e deve alternar conforme sinta vontade.

Chuveiro, bola, banqueta, são sempre bem vindos, mas mais do que qualquer objeto de parto o essencial é manter um clima leve e seguro, diria até descontraído.

Eu particularmente amo o trabalho de parto, é um dia especial e inesquecível na vida de todos, então porque não fazer dele um momento delicioso? Conversem, riam, dancem.

 

grupo de gestantes
Doula, Empoderamento, Gestação, Parto

5 razões para dizer SIM

Você já viu o positivo no palitinho, já está em pelo menos 5 grupos virtuais de “gravidas” e aquela sua amiga com cara de hiponga te convidou para ir em um grupo presencial de apoio à gestação e parto humanizado?

Abra o peito, o sorrisão no rosto, coloque sua roupa mais confortável e diga SIM!

Nos grupos presenciais, mais do que a oportunidade de trocar experiências com outras gestantes, você provavelmente vai encontrar :

 

1: Informações baseadas em Evidencias

Os grupos costumam ter até 10 casais e os facilitadores buscam sempre embasar as informações passadas da forma mais confiável possível, dentro do tema abordado.

“Não existe escolha sem que exista antes conhecimento real sobre as opções”

Fala-se do que é normal, ou não na gestação e parto, dependendo do tema abordado no dia pelo grupo.

 

2: Vão te provocar a questionar

Dos primeiros passos para assumir a autonomia do próprio corpo é se permitir questionar. “Como isso acontece? Porque essa indicação? Esse procedimento seria feito por quê?”

Você estará rodeada de mulheres que descobrem a cada dia o poder de ter autonomia sob o próprio corpo.

 

3: Apontar caminhos

As mulheres nos grupos já viram muita coisa e estudaram outras tantas, acredite, elas mais do que ninguém gostariam que o parto normal respeitoso fosse um direito acessível e não algo que temos que lutar por ele. Vão falar no ato sobre as condutas conhecidas de profissionais e hospitais, indicar uma série de livros, filmes e blogs para que você possa escolher o que é melhor para  SUA realidade e se encaixa melhor nos SEUS desejos.

 

4: Relatos de Parto Reais

É bonito ler relatos de parto, mas ouvir da mulher que vivenciou cada contração, alegria e força é uma experiência completamente diferente. Ouça com respeito, é a história dela, mas significa que você também pode conquistar a sua. É possível e nem sempre tão simples e romântico como pode parecer no youtube.

 

5: Apoio

Seu grupo será sua rede de apoio, anote dúvidas, pergunte sempre que tiver espaço para isso, de preferencia abertamente para todo o grupo, sua dúvida pode gerar uma discussão muito boa e ajudar à outras mulheres. É intimo? Aproveite o final do encontro, se forem muitas dúvidas, vale recorrer a uma Doula para te dar a atenção e informação que precisa.

 

Você frequenta já algum grupo de apoio? Se ele puder ser divulgado poste aqui nos comentários que vou atualizando o post com “Nossas leitoras recomendam”

Prodromos
Empoderamento, Parto, Trabalho de Parto

Pródromos: Apenas um aperitivo para o parto

Parir é o prato principal, antes temos Aperitivos, sim.

Se você está no final da gestação, com 37 semanas ou mais e passou os últimos dias em uma série enlouquecedora de “falsos alarmes” esse post é para você Emoticon wink

Contrações que vem, ficam por algumas horas e vão embora como se nunca tivessem acontecido, perda de “meleca” ( tampão mucoso),intestino Solto, mudança súbita e intensa de humor (chorar muito/ficar muito irritada)

Tudo isso faz parte dos Pródromos, e pode ou não ser um período legal de vivenciar, tudo vai de como você e quem está perto encaram essa experiencia. Experimente:

1: Quando as contrações vierem no período da noite, tome banho de no minimo 1h de duração, elas irão sessar e você poderá dormir tranquila.

2: Deixe fluir, não tente segurar o choro, ou conter suas emoções, escreva tudo o que sente em um papel, depois o amasse o máximo possível e jogue fora. Não importa o que escreveu, o importante é que você deixou sair de você e não voltará mais.

3: Acredite no seu corpo, você saberá quando a hora chegar de verdade, todos esses sinais já indicam uma evolução, o parto não acontece de um minuto para outro. Foram 9 meses gerando uma vida, levamos uns dias para apresentá-la à esse mundão.

4: Divirta-se, tire fotos, desenhe na barriga, faça coisas bobas, ria de si mesma, dance! São seus últimos dias de “barrigão”.

Quando aceitamos que tudo acontece da forma que DEVE acontecer, paramos de nos angustiar, deixamos a ansiedade de lado e vivemos um dia de cada vez, da melhor forma possível

Alex_Grey-Pregnancy2
Empoderamento, Parto

HAJA LUZ!

Atenção: Este texto tem uma visão romântica e espiritual da vida, leia-o com lentes cor-de-rosa.

Sim, somos luz! E, embora temporariamente, enquanto aqui neste planeta, somos terra, somos carne, somos divinos.

Se D’us nos fez à sua imagem e semelhança, Ele/a nos brindou com o seu maior dom: a capacidade de criar. E, talvez, seja na escolha consciente da concepção de um filho por um casal, onde isto mais se evidencie.

Através da união amorosa, da completude que o amor proporciona, da grandeza deste amor, surge o desejo de compartilhar e a necessidade de expansão, de multiplicar-se para, simplesmente, poder amar mais. É então que o homem/mulher toca levemente o êxtase cósmico dos primórdios do universo: a criação.

Se originária do barro, a mulher carrega em si os ciclos da natureza e os mesmos atributos de sua mãe Terra: gerar, gestar, nutrir, acolher.

O parto, verdadeira iniciação na vida de uma mulher, é o evento onde ela mais pode se perceber humana, terrena e, simultaneamente, entrar em contato com seu mais profundo Sagrado Feminino.

É no parto que a mulher pode vivenciar os sentimentos mais humanos e selvagens, o medo do desconhecido, a dor e, sobretudo, a superação da dor; assim como experiencia o sublime, o prazer, a alegria, o júbilo. Se conecta com sua força e poder intrínsecos. Pode sentir a sabedoria de sua ancestralidade percorrer seu corpo. É a própria matéria, a materialização do amor, seu leite e sua cria.

A progenitora se faz Una com D’us, com a natureza, pois usufrui do milagre supremo: a vida.

E o amor de mãe é, talvez, o que mais se aproxime da maior qualidade divina – que também nos foi concedida: o amor mais puro, amor incondicional.

parto