Browsing Tag

Sororidade

Doula, Empoderamento

Um encontro 360 graus sobre humanização

Quero dividir com vocês uma experiência muito bacana que tivemos aqui essa semana.

Na minha página na rede social do joinha e nos e-mails volta e meia me questionavam “o que é um parto humanizado” ou afirmando que queriam um, como quem pede um lanche no Mc Donalds pelo número, mas sem conhecer os ingredientes um a um. E isso só deixava claro uma coisa, não estou falando claramente sobre.

Bolei então um encontro, com coquetel porque pessoas com estômagos felizes são mais receptivas à novas ideias.  Fizemos o seguinte:

Dentro do meu perfil pessoal tenho grande parte das mulheres que acompanhei o parto, joguei lá o convite para que viessem contar seus relatos para outras mulheres. A meta era ter um parto em casa local possível na cidade (Sus, Pelo Convenio, Hosp Particular, Hosp de Fora, Domiciliar e Casa de Parto).

Tinha os relatos garantidos agora precisava apresentar os profissionais envolvidos, de forma clara e objetiva para que as famílias entendessem o papel de cada um e funções. Convidei a Giovana Fragoso, Enfermeira Obstetriz que realiza partos domiciliares, Andréa Gouveia, neonatologista ótima na recepção de bebês, Cláudia Clemente, fotógrafa e o Bráulio Zorzella, Go humanizado da cidade vizinha que infelizmente adoeceu no dia e não pôde comparecer. Claro, a apresentação e fala de Doula foi  minha.

 

Abri as inscrições por e-mail, e simultaneamente rolava um grupo no whats app específico para esse dia, para as mães já se conhecerem e conversarem entre si.

 

No dia do Evento

Iniciamos com a apresentação dos profissionais, resumo do currículo acadêmico e  profissional e um pequeno depoimento sobre seu papel no parto. Após cada apresentação abria-se espaço para perguntas.

Depois de uma rápida pausa, iniciamos os relatos de parto.

A previsão de término era meio dia, 13:30 ainda estávamos nos despedindo.

 

Ponto positivo: apresentamos a humanização de forma integral e real para 20 gestantes de variadas idades gestacionais.

Ponto negativo: Programei apenas duas horas para esse evento, o que foi absurdamente pouco. Em todo curso ou palestra que ministro gosto de começar pedindo para que as gestantes se apresentassem e por medo de não dar tempo pulei isso, o que deixou todas bem menos a vontade do que eu gostaria.

 

Cada evento é um aprendizado, sem sombra de dúvidas. Espero que essa minha experiência aqui inspire outras ainda mais lindas.

Doula, Empoderamento, Gestação, Parto

5 razões para dizer SIM

Você já viu o positivo no palitinho, já está em pelo menos 5 grupos virtuais de “gravidas” e aquela sua amiga com cara de hiponga te convidou para ir em um grupo presencial de apoio à gestação e parto humanizado?

Abra o peito, o sorrisão no rosto, coloque sua roupa mais confortável e diga SIM!

Nos grupos presenciais, mais do que a oportunidade de trocar experiências com outras gestantes, você provavelmente vai encontrar :

 

1: Informações baseadas em Evidencias

Os grupos costumam ter até 10 casais e os facilitadores buscam sempre embasar as informações passadas da forma mais confiável possível, dentro do tema abordado.

“Não existe escolha sem que exista antes conhecimento real sobre as opções”

Fala-se do que é normal, ou não na gestação e parto, dependendo do tema abordado no dia pelo grupo.

 

2: Vão te provocar a questionar

Dos primeiros passos para assumir a autonomia do próprio corpo é se permitir questionar. “Como isso acontece? Porque essa indicação? Esse procedimento seria feito por quê?”

Você estará rodeada de mulheres que descobrem a cada dia o poder de ter autonomia sob o próprio corpo.

 

3: Apontar caminhos

As mulheres nos grupos já viram muita coisa e estudaram outras tantas, acredite, elas mais do que ninguém gostariam que o parto normal respeitoso fosse um direito acessível e não algo que temos que lutar por ele. Vão falar no ato sobre as condutas conhecidas de profissionais e hospitais, indicar uma série de livros, filmes e blogs para que você possa escolher o que é melhor para  SUA realidade e se encaixa melhor nos SEUS desejos.

 

4: Relatos de Parto Reais

É bonito ler relatos de parto, mas ouvir da mulher que vivenciou cada contração, alegria e força é uma experiência completamente diferente. Ouça com respeito, é a história dela, mas significa que você também pode conquistar a sua. É possível e nem sempre tão simples e romântico como pode parecer no youtube.

 

5: Apoio

Seu grupo será sua rede de apoio, anote dúvidas, pergunte sempre que tiver espaço para isso, de preferencia abertamente para todo o grupo, sua dúvida pode gerar uma discussão muito boa e ajudar à outras mulheres. É intimo? Aproveite o final do encontro, se forem muitas dúvidas, vale recorrer a uma Doula para te dar a atenção e informação que precisa.

 

Você frequenta já algum grupo de apoio? Se ele puder ser divulgado poste aqui nos comentários que vou atualizando o post com “Nossas leitoras recomendam”

Diversão e Relaxamento, Gestação

Grupos de Gestantes Online, pra que?

Primeira coisa que a gente procura quando engravida, depois de parar de ter um mini-ataque-cardíaco, são os grupos.

 

Ah os Grupos para Gestantes, virtuais e/ou presenciais, nos fazem sentir um calorzinho gostoso no peito, o conforto de “aqui sou compreendida”. Né não?

 

Prepare seu coração, pois os grupos são apenas o gostinho do que a maternagem vai proporcionar, com diferentes pontos de vista, crenças e valores.

 

Mas vou te dizer, tem verdades inquestionáveis sobre grupos online;

 

  1. Apenas uma mãe-grávida entende perfeitamente outra
  2. Se você quer informações boas, vai ter que aprender a separar o “joio do trigo” e ler muita bobagem no meio,
  3. Quanto menos se irritar com isso, melhor
  4. Vai rolar treta sim, porque SIM.  Lembre que a vida que importa mesmo é a off line
  5. A Internet põe uma lupa gigante no que as pessoas tem de melhor e pior, muitas vezes a realidade é bem diferente do que parece ser alí.
  6. Os encontros presenciais são os mais gostosos do mundo e você nem vai se lembrar que a fulana curtiu o comentário que você não gostou <3
  7. Você vai ver que solteira, casada, com muita grana, com pouca grana, os desafios e medos são muito parecidos, apenas em realidades diferentes
  8. Você será julgada pelas suas escolhas, quando isso acontecer, avalie se esse grupo realmente te faz bem e se esses julgamentos te trouxeram algo de bom, se as duas respostas forem “Não” procure outro onde se sinta livre para falar como se sente e ser acolhida.
  9. Você fará amizades para depois da Gestação <3 Sim, isso existe.
  10. NADA, absolutamente NADA do que é postado em grupos online é secreto e livre de “vazamentos”, não ofenda pessoas, não printe outras mulheres e exponha, não poste fotos muito intimas. Processos rolam, sim, e internet pode fazer que tudo tome proporções gigantescas e fora do controle.

 

Curso, Diversão e Relaxamento, Doula, Maternagem

Mãe, to na Globo!

Ok, é na Tv tem… mas trabalho de Doula sendo bem falado e divulgado na Globo é para se comemorar!

Eu busco sempre trazer para minha cidade (Itapetininga-SP) atividades exclusivas , e porque não inusitadas, na região. É trabalhoso, normalmente tem pouca adesão… mas o resultado é sempre muito bom.

 

Em maio convidei a Pâmela Souza, do Ventre Materno, para um workshop.

 

Foi tão encantador, o resgate do feminino, a re-conexão com o corpo principalmente para as mães que já tinham tido bebê, que o Work virou aula.

 

E hoje a matéria saiu, no jornal local ao meio dia, com depoimento das mães e dessa doula que vos escreve. Confiram que bacana que ficou!

 

Pela primeira vez os jornalistas daqui falaram corretamente o papel/função da Doula, apesar de errarem meu sobrenome rs), fiquei emocionada!

Clique aqui => Dança do Ventre Mãe e Bebê -Casa da Doula e Opima 

 

Empoderamento

Tire seu dedo inquisidor AGORA do meu nariz

MEU nariz, da Paula, da Maria, da Bruna, da Erica, da Débora…

Tire agora seu dedo apontador de erros, falhas, palpites.

 

A Paula escolheu cesárea…

A dor do parto seria o menor obstáculo que ela iria enfrentar em um parto normal.

– Precisaria se empoderar (o que é uma sacanagem, deveríamos simplesmente escolher e sermos respeitadas)

-Ouviu historias de parto medonhas de familiares e até desconhecidos. Sim, além de lidar com seus próprios medos, ela acabava tendo que ouvir o medo dos outros a sua volta.

-Não tinha grana disponível para equipe particular e parto domiciliar/hospitalar humanizado de verdade, ficaria a mercê dos atendimentos oferecidos na sua cidade/região. Sabe que na hora seria torcer para que a equipe que a atendesse fosse bacana, na área clínica e ética.

 

A Bruna assumiu sozinha a cria

Sobrenome é apenas um detalhe, as dificuldades de Bruna vão além do Status “Solteira” que insistem dar à ela após sua apresentação como Mãe.

 

-Ela tem sozinha que administrar cuidados com a cria, noites mal dormidas, lavar roupas, cozinhar, manter financeiramente o lar e emocionalmente ela e a cria

-Sente falta dos amigos, mas não tem como levar a mesma vida de antes, o dia a dia é ela e seu bebê

-Há quem diga que ela queria essa gravidez, para chamar a atenção, para tentar prender o cara no bom e velho golpe da barriga, afinal se não quer engravidar se prevenisse… (sic)

-Cabe a Bruna explicar para sua cria onde está o papai e porque não está lá

-Cobram dela que essa criança tenha um Pai, um irmão…

-Falam, falam muito, que a criança tem direitos, a ter um pai e pensão… Como Bruna AINDA não colocou o cara na justiça?

 

Débora se casou, grávida

-Ela acreditava que o modelo de família tradicional seria a melhor coisa para ela e seu bebê

-Sozinha administra cuidados com a criança, noites mal dormidas, lavar roupas, cozinhar, manter financeiramente o lar e emocionalmente ela e a cria

-Sente falta dos amigos, mas não tem como levar a mesma vida de antes

-Há quem diga que ela queria essa gravidez, para chamar a atenção, para tentar prender o cara no bom e velho golpe da barriga, afinal se não quer engravidar se prevenisse… (sic)

-Às 18h ela deve estar em casa, com as crianças e jantar preparado.

-Cobram dela um segundo bebê, que amamente em Livre Demanda, não deixe as crianças assistirem televisão, apenas comam produtos orgânicos e óbvio, nada de açúcar.

-Sem esquecer! Homem não gosta de mulher largada não, se quiser manter esse homem abençoado que a aceitou, assim como ela é, tem que se manter linda, porque vai que…

 

Quando apontamos dedos à outras mulheres, externalizamos NOSSOS próprios medos, falhas e angustias, não é de apontamentos que essa mulher precisa, nem você.

 

Experimente antes de falar de uma amiga, vizinha, ou comentar um post nas redes sociais, se lembrar que quem está do outro lado vive uma realidade diferente da sua, pode ser que não tenha mesma disponibilidade financeira, ou mesmo suporte familiar, ou até uma série de outras pequenas fraquezas que nos tornam deliciosamente frágeis seres humanos.

Ninguém deveria apontar dedos para uma mulher.

Só ela sabe o peso que suporta carregar.

Estenda seu coração e mantenha os braços abertos, ninguém abraça sem ser abraçado.

 

Vem curtir aqui também 😉 https://www.facebook.com/casadadoula