Viagem internacional com bebês: é possível? – Parte 1

João tem o passaporte bem carimbadinho. Aos sete meses, foi a Buenos Aires e, de lá para cá, não parou mais: Paris, Berlim, Havana… espero que a lista não termine nunca!

Muita gente pede dicas de viagem internacional com bebês pequenos aqui no blog e há um tempão estou enrolando. Agora, tomei vergonha e vou dividir com vocês, finalmente, as nossas experiências. Já vou logo dizendo: acho uma delícia sair de férias pelo mundo com o João, desde que ele era muito novinho. Com um tiquinho de organização, não há razão nenhuma para drama. São momentos deliciosos, que vão ficar para sempre na sua memória e podem ajudar os filhotes a criar hábitos maravilhosos: o gosto por conhecer culturas diferentes, experimentar novos sabores, ter contato com outras línguas. Além disso, este tipo de viagem é um período de dedicação exclusiva aos filhos, sem e-mail, trabalho, celular tocando, mãe freak para atualizar o blog… amamos isso, né!

João provando os mirtilos franceses!

João provando os mirtilos franceses!

Primeiro passo: o passaporte

Para a segurança de todos, só é possível sair do país com um documento com foto. Para a maior parte das viagens ao exterior, é exigido o passaporte, e, caso seu destino seja um país do Mercosul, pelo menos a carteira de identidade é essencial. A certidão de nascimento deve ser levada para conferência da filiação do bebê (não há este dado no passaporte), mas só ela não vale, hein!!!

Se você para a Argentina, Uruguai, Chile, Peru, Bolívia, Venezuela, Chile, Equador ou Colômbia e esta for a sua única viagem internacional marcada, vale a pena considerar fazer só a Carteira de Identidade, que é gratuita, enquanto o passaporte custa, atualmente, R$156,07.

Para requerer o passaporte, é necessária a autorização de ambos os pais (veja a documentação necessária aqui). Crianças menores de 3 anos devem levar uma fotografia do rosto, tamanho 5X7, recente, colorida, sem data, em fundo branco (os policiais federais devem ter cansado de tentar fazer os bebês posarem para suas camerinhas!)

Os passaportes infantis têm validade menor do que os dos adultos!!! Fique atenta!

Idade\Validade

1 ano

2 anos

3 anos

4 anos

5 anos

 0 a 1

   x

 1 a 2

    x

 2 a 3

    x

 3 a 4

    x

 +4

     x

Documentos na mão, ‘bora escolher para onde ir!!

Escolhendo o destino

Eu tenho o seguinte pensamento: crianças nascem em qualquer lugar do mundo, do Alasca a Teerã. Você pode ir com a sua para onde quiser. Minha amiga Fernanda Costa, que tem um blog de viagens bacanérrimo, já foi com o bebê de poucos meses para Seychelles!

http://www.viaggio-mondo.com/2013/05/seychelles-ilha-de-mahe.html

Obviamente há lugares mais e menos agradáveis para as crianças, mas, em geral, não há nada proibido. É claro que sua vida será mais fácil se você não tiver que fazer 15 escalas, trocar 7 vezes de aeroporto, pegar uma balsa e andar 150 km de jipe em uma estrada no deserto. Usando o bom senso, tudo é possível. Pelo menos enquanto os filhos são tão pequenos, quem escolhe o destino é o desejo e a curiosidade dos pais! #aproveiteenquantopode

O avião

As providências começam no momento de reservar a passagem. Informe que vai viajar com um bebê, peça para reservarem os assentos prioritários para ambos os pais. Esta é só uma pré-reserva. Você tem que chegar cedo ao check in para garantir seu lugar.

Se o seu filho pesa menos de 11 kg, pergunte ao atendente se a configuração da aeronave permite o uso do bercinho portátil. Faça a reserva e pegue um número de protocolo. Acredite em mim, isto é essencial – já me aconteceu de reservar e pagar pelo berço na TAM e, já dentro do avião, ser informada que o avião não tinha o acessório.

Algumas companhias têm comida especial para bebês e crianças, outras não. Eu não arrisco de jeito nenhum. Levo frutas fáceis de comer, já higienizadas, separadas em saquinhos descartáveis individuais (para não voltar com nada sujo para a bolsa, ou ter que lavar no banheiro minúsculo) e outros snacks levinhos. Até hoje levo a minha própria papinha. Na Argentina e no Brasil, compro a da Jasmine, que é orgânica (já falei dela aqui). Na Europa e nos EUA, há dezenas de opções bio. Não costumo dar ao João comida industrializada, as viagens são nossa exceção. Lembre-se que algumas pessoas sentem enjoo no avião, por isso, faça sempre escolhas leves.

Papinha

A comida industrializada para bebês, mesmo que seja líquida ou pastosa, é uma exceção à regra que proíbe que embarquemos com mais de 100 ml de líquidos em voos internacionais. Pode levar tranquila.

Outra dica da sala de embarque: escolha sapatos sem metal e fáceis de calçar sem as mãos. Vai por mim, isto vai te poupar da fadiga passa-o-bebê-para-o-marido-tira-a-bota-de-cano-alto-passa-no-raio-x-busca-o-bebê-do-outro-lado-espera-o-marido-tirar-sapato-e-passar-devolve-o-bebê-calça-a-bota. Vai economizar 10 minutos e muita cara ruim.

Crianças até dois anos só pagam a taxa de embarque, mas não têm poltronas próprias, vão no colo. Também não é nenhum bicho de sete cabeças, afinal, todo bebê que eu conheço ama colo.

As crianças de 2 a 12 anos pagam um percentual da passagem (50 a 75%) e têm seu próprio assento. Não se esqueça de fazer um cartão de milhagens para elas!!! #phynno

Minha experiência com o João diz que, quanto menor o bebê, mais fácil é o tempo no avião. Escolha um voo noturno, dê uma voltinha pelos corredores de vez em quando, leve brinquedos que não façam barulho (lembre-se – você pode precisar da solidariedade dos outros passageiros). Durante a aterrissagem e decolagem, coloque-o para mamar, ou dê algo para sugar. Isto evita dor nos ouvidos.

Vista o bebê com as roupas mais fáceis de trocar que ele tiver; lembre que geralmente neva nos aviões. Além de um cobertorzinho para o neném, tenha em mãos uma mantinha para cobrir o bercinho, que costumas ser bem eca.

Leve um sling e um carrinho que recline, caso tenha que esperar muito tempo na sala de embarque e o pequeno queira tirar um cochilo. Na maioria das companhias, você pode entregar seu carrinho só na porta do avião (quando for fazer o check in, informe isto ao atendente e peça um saco grande, para que o carrinho não fique imundo no porão).

Ufa!!! Por enquanto é isto. Amanhã falo de malas, hotel, passeios… O que mais querem saber?

Bjs enormes!

Crie o site do seu Neném

Sobre Gabi Sallit

Gabriella Sallit virou Gabi ainda pequenininha. E, para não ter um filho que tivesse que explicar a vida inteira a grafia do seu nome (aprendeu a falar “meu Gabriela é com 2 Ls” antes de papai e mamãe), escolheu um nome pequenininho para o seu filhote. João está começando a falar e já escolheu como prefere ser chamado: Jão!

VENHA, e CONECTE-SE COM A VILA!

Receba as novidades em primeira mão!

Esta entrada foi publicada em Viagens e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

53 respostas a Viagem internacional com bebês: é possível? – Parte 1

  1. Mauricio disse:

    Só uma aclaração referente ao pagamento de passagens para crianças com menos de dois anos, nem sempre procede essa informação do pagamento único da taxa de embarque, eu fiz uma viagem pra a Guatemala ano passado pela copa airlines e tive que desenbolsar R$450.00 isso com meu filho que na época tinha exatos 1 ano e quatro meses ou seja depende muito da política da companhia aérea claro que o percentual foi bem menor já qué a passagem para adulto foi de R$ 4000,00 sem falar que ele não tinha poltrona individual e teve que vir no colo

  2. Virna disse:

    Bom dia, querida! Me chamo Virna e moro na Bahia. Estamos (eu e marido) querendo viajar com nossa bebê de 1 ano e 5 meses, no final deste mês pro Chile. Primeira vez dela viajando de avião. Confesso que estou muito insegura, cheia de medos. Me disseram que a cidade de Santiago é muito poluida, tenho receio de ela adoecer(me parece que ela é alérgica, tipo rinite, pq eu tenho e ela já teve muitos episodios para a pouca idade), medo de ir ao Vale Ne do por causa da altitude e incomodar o ouvidinho, medo de como ela vai sem comportar no avião(ponto positivo: não estranha nada,nem ninguém, ponto negativo:é inquieta), medo da turbulência nas cordilheiras dos andes(rsrs), medo de ela não suportar o frio(moramos no interior da Bahia, faz muito calor aqui), medo de ela adoecer lá(já me indicaram seguro saúde)…
    Enfim, muitos medos,né?! Kkkkk
    Mãe de primeira viagem em sua primeira viagem internacional com a filha pequena. Não me julgue!!! Rs
    Também estou com dúvida em relação a levar a lata de leite dela(aptamil). No Chile deixam embarcar? Tenho receio de não levar e lá não encontrar…
    Por favor, veja o que pode me diZer para me tranquilizar…kkkk
    Desde já,agradeço muito!
    Beijos

  3. Pingback: Viajar sem os filhos: bão também | Dadadá é blablablá de mãe pra mãe

  4. Pingback: Os top posts de 2014 | Dadadá é blablablá de mãe pra mãe

  5. jakeline araujo disse:

    Adorei as dicas. Estou indo morar na Irlanda em janeiro, e e a primeira viagem internacional que faço com meu bb q tem hoje 1 ano e meio. Ele é muito ativo mexe em tudo, e quando faço viagens curtas com ele , chora o tempo todo querendo descer pra andar no corredor. ouvi falar que tem alguns calmantes leves. você pode me ajudar ou não faz bem para o meu pequeno?

  6. Maria Lúcia disse:

    Olá!
    Eu viajei com a minha bebê de 1 ano e 7 meses para Espanha, Portugal e Itália. Fomos de Ibéria, todos os funcionários super atenciosos e carinhosos com os pequenos, tem até brinquedinhos para eles. O peso da minha filha se enquadrava na regra de solicitação do bercinho, mas o tamanho não, então eles não autorizaram, mas se o voo não estiver muito cheio eles trocam você de lugar para ficar com uma poltrona vazia ao lado ou até duas (se for duas o bebê vai deitado numa boa); se chorar muito ganham até colinho dos comissários. Eu solicitei a papinha para bebês (as que eles dão é a Nestlé), mas a minha filha quis a comida de adulto mesmo. Agora uma “dica” que eu achei super importante e foi do pediatra da minha filha na consulta pré viagem, é a aquisição de seguro viagem para nós e principalmente para os bebês. E foi assim que eu conheci o site http://www.seguroviagemideal.com.br e eu super indico, porque lá você consegue comparar vários cartões de seguro viagem e eles tiram todas as suas dúvidas sobre o produto.

  7. Luciana disse:

    Oi Gabi, adorei as dicas!
    Tenho algumas dúvidas que talvez você posso me ajudar.
    Vou fazer uma viagem SP/Mia e o voo é diurno, estou super preocupada com a questão da alimentação do meu bebê de 11 meses.
    Ele não aceita a papainha da Nestle e não sei como vou fazer para alimentá-lo durante o voo… Por favor, me ajude!
    Obrigada!

  8. Fabiano Gomes disse:

    Olá, me ajuda please, aqui no Brasil minha filha de 7 meses quando necessário pega papinha da nestle super bem, mas nos EUA você recomenda alguma q
    Seja boa?

  9. Luiz Henrique disse:

    Oi Gabi, tudo bem? Estamos planejando levar nosso baby até Buenos Aires em março próximo. Você pode me dizer em que hotel ficou, e se a estrutura atendeu as necessidades do bebê?? Desde já agradeço a atenção.

  10. jaqueline disse:

    oi gabi tenho muiiittttaaasss duvida principalmente por ser minha primeira viagem internacional.
    bom estou gravida e tentando programar a viagem da familia para janeiro de 2015. ate la o bebe tera nascido e tera 6 meses dai as duvidas. como funciona o calendario de vacinação para bebes pequenos como sera no meu caso? e mais alem do bebe eu tenho uma menina de 5 anos e pra ela tem alguma dica diferente? viajo muito pois a familia mora longe mas geralmente é de carro, ela ja viajou de avião e não deu nenhum trabalho mais foi viagem nacional. Preciso de mais dicaaasss!!!! obrigada jaque

    • Gabi Sallit disse:

      Jaque, vc tem que verificar, no consulado do país para o qual vc vai viajar, se há alguma exigência de vacina que não conste do nosso calendário. No geral, o nosso calendário é bem completo (até exagerado).
      Quanto à sua menina mais velha, acho que as técnicas que usa para distraí-la no carro devem servir para o avião.

  11. Alessandra disse:

    Ameeeiiiii as dicas! Quero e vou mostrar o mundo pro meu bebe, depois dessas dicas! Confesso que estava insegura.

  12. Patricia Ferrari disse:

    Adorei as dicas !! Eu Moro no Japão , em fevereiro vou para o Brasil passear com o meu filho Nicholas de 1 ano e 4 meses , estou muito insegura pois vou viajar sozinha com ele pela primeira vez, em 2012 eu fui para o brasil gravida ter ele ,e voltei qndo ele esta com 7 meses , so que meu marido estava junto para ajudar !!! É uma viagem muito cansativa, sao 2 voos 12 horas cada ,e mais algumas horas de escala, na Alemanha ja passei 7 horas !estou de cabelos em pé so de pensar na maratona!

  13. Tássia Nascimento disse:

    Bebês tem direito a kgs de bagagem ??

  14. Regina disse:

    Ola! Tudo bem? Tenho uma filha de 1 aninho e quero muito viajar com ela para o exterior (especialmente para Paris pois temos amigos na cidade). Como ja conheco bastante a cidade, nao tenho a obrigacao de “turistar”.
    Entretanto, o que me preocupa justamente eh a questao da alimentacao. Das poucas vezes que viajei por aqui (confesso que fiquei bem cansada nas primeiras vezes rsrs) levei as papinhas congeladas e guardei no freezer do hotel. Ela nunca precisou comer papinha industrializada, entao nem sei se ela gosta…

    Bom, agora ela ja esta comendo comidinha mesmo, mas aquela coisa: arrozinho, legumes, carninha cozida desfiada, feijao etc. mas tudo feito em casa. Tenho receio de nao conseguir dar uma alimentacao adequada em restaurantes no exterior. Se vc puder, comente mais sobre essa parte da alimentacao pls (se possivel na Europa rsrs)…Tenho receio tambem de dar papinha industrializada todos os dias e todas as refeicoes da viagem, sera que tem algum problema ?

    Tambem li no seu outro post sobre a questao dos jantares. Ela tambem dorme cedo – tipo 20:30h maximo e adorei a historia de manter o fuso do Brasil. Como foi isso? deu super certo? Isso era uma das coisas que tambem estava na minha cabeca e ler isso foi muito reconfortante ! Se funcionar sera perfeito!

    beijos e obrigada!

    • Gabi Sallit disse:

      Ei, Regina! A questão do fuso é bem simples. Na verdade, é só não fazer nada diferente. Mantenha-a dormindo no horário do Brasil (talvez, no seu caso, para não ficar muito tarde, seja preciso uma adaptação de uma ou duas horas). Se viajar no verão ou na primavera vai se beneficiar, pois escurece mais tarde e é mais fácil que o relógio biológico se convencer que ainda não é hora de dormir! 🙂

      Quanto à comida, também não vejo nenhuma dificuldade que te impeça de viajar. É ótimo que sua filha só coma comida fresca! A Thais, do blog As Receitas do Dudu, fez um post super bacana sobre comida para viagem, olha só: http://www.asdeliciasdodudu.com.br/2012/12/kit-para-viagem.

      Não acho que seja recomendável levar muita coisa congelada daqui (não sei como seria a fiscalização aeroportuária e a conservação no avião), mas você pode se programar para ficar hospedada em algum lugar que tenha cozinha (talvez seja melhor alugar um apt, por causa dos utensílios) e se dedicar a fazer a comida durante uma manhã. Compre embalagens descartáveis e voilá! A Karen, do Enquanto Elias dorme, dá algumas dicas legais: http://vilamamifera.com/enquantoeliasdorme/ganhando-tempo-na-cozinha-3-em-1/.

      Se você resolver dar a papinha industrializada alguma vez, alterne as marcas, para ela não enjoar. Em Paris, há uma loja muito bacana chamada Les bio-gosses (4, rue Notre-Dame de Lorette 75009), que tem milhares de papinhas orgânicas diferentes. Lembre-se que será uma exceção.

      Nos restaurantes sempre há legumes cozidos, omeletes, sopas. Eu não sairia de casa contando com que ela vai comer isto, por causa da diferença de temperos, mas vale a pena experimentar.

      Espero ter ajudado!!

    • Luciana disse:

      Fiz uma viagem para o Chile com meu filho de 11 meses, agora no final de 2013. Encontrei uma fornecedora de papinhas orgânicas em Santiago. Combinei tudo com a dona da empresa por e-mail, e ela me trouxe as papinhas congeladas no hotel. Foi muito bom. Fica a dica!
      O contato dela é organicnoahsfood@gmail.com

  15. Ana Luisa disse:

    Que post necessário! Eu moro no Canadá e logo que minha filha fizer 6 meses, estaremos indo eu e ela visitar a Familia no Brasil. Estou simplesmente apavorada por termos que pegar dois voos e viajar aproximadamente 14 horas (se ela chorar o vôo inteiro, se ela vomitar, se nao conseguir dormir, se…). Portanto gostei muito de ler a sua experiência de sucesso! Fico mais animada!

    • Gabi Sallit disse:

      Claro que vai ser fácil! Morando fora ela já deve ter nascido com os gens mochilinha! 🙂

    • Ana Paula disse:

      Olá Ana Luisa, aproveitando seu comentário para perguntar: é possível entrar no canada com comidinhas congeladas pro meu filho? Viajarei em julho para montreal e ele tem 9 meses. Nao ficarei em hotel com cozinha entao estou com receio do que oferecer

  16. Virgínia disse:

    Ei, Gabi! Adorei o seu blog! Já ouvi muito falar de você e do João, que é um fofo, pela Fê (madrinha coruja) que é minha amiga. Ótimas suas dicas! Eu viajei com a Maria Clara pra Paris quando ela tinha 1 ano e 10 meses e foi tudo de bom. Cansativo, mas valeu muito a pena! E no avião ela se comporta muito bem, sempre! Agora já tem 4 anos. Vou continuar acompanhando o blog. Beijos! Vicky.

  17. Gabi,
    Delicia ver o Daniboy aqui!! ;))
    Suas dicas sao sempre otimas e muito uteis!! Otimo para quebrar o paradigma de quem acha que nao da para viajar com bebes! 😉
    Bjo!!

  18. Luana disse:

    Gabi, o que colocar na malinha de mao pro nene comer sem exageros?? Tipo umas frutinhas, uma papinha Nestle (ele nao curte da Jasmine e nem eu… pode ser saudavel mas o gosto é horrorosoooooo) uma mamadeira, pó pra leite (aquele de 3 compartimentos da Avent tá bom?) agua… um suquinho talvez??

    • Gabi Sallit disse:

      Ué, Luana, depende do número de horas de voo e do horário, né! Leve sempre a mais, porque você não sabe se vai haver atrasos, ou escalas imprevistas…
      Vc já sabe para onde vai ou só quer uma sugestão genérica?

      • Luana disse:

        Sim, vamos pra Orlando em dezembro com escala em NY de 1 hora

        • Gabi Sallit disse:

          Que horas é o voo? Vou considerar que seja durante o dia, quando o consumo é maior (mas, se for noturno, melhor!)
          De BH para NY são 8 horas. Isto quer dizer, no mínimo, 14 horas fora de casa (3 horas antes para o check in, 1 hora de escala, 2 horas de NY para Orlando). O João come duas embalagens de papinha a cada refeição, então eu levaria 5 (uma de garantia). Levaria um saquinho com damascos, um com castanhas, 2 smoothies (a Jasmine tem. Conhece?), 2 frutas. Com o tédio, acabamos comendo mais. Melhor sobrar.

  19. Luana disse:

    Adoreeeeei as dicas… viajaremos em breve e em estou superhipermegaultra ansiosa, principalmente com o voo….. quero logo o “amanhã” com mais dicas!!

  20. Maíra disse:

    Oi Gabi!
    Adorei o post! Eu e meu marido estavamos sonhando com uma viagem internacional, mas sem deixar a pequena em casa. O unico problema é que na primeira viagem dela (com 8 meses) a experiencia nao foi muito legal. Talvez tenha sido uma experiencia muito “pesada” pra primeira vez! Fomos a noite para SP (SSA/SP 2:30) e de lá seguiriamos uma viagem de 3hs pra fazenda no sul de MG, de carro. Acontece que com as manifestações rolando no país inteiro o aeroporto de guarulhos fechou, pousamos em campinas e daí em diante foi uma novela. O carro que estava nos esperando em guarulhos chegou as 3:00 no aeroporto de campinas e só conseguimos chegar na fazenda as 8:30 do dia seguinte. Apesar de termos tomado todos os cuidados, ela passou muito mal no dia da chegada. Nao conseguiu comer, vomitou umas 4 vezes e mesmo tomando remedio pra enjôo so ficou bem disposta no dia seguinte. O vôo foi tranquilo, curto, mas ela ficou MUITO inquieta por ser apertado, no meu colo, enfim…quero muito seguir viajando mas fiquei um pouco assustada. E exausta, nem preciso falar! Essa dica do berço no vôo foi fantastica, eu nao sabia e foi muito desconfortavel pra mim e pra ela…pra viagem de carro, longa, voce tem alguma sugestão diferente? Fazer varias paradas por exemplo? E vôos muito longos pra crianças muito ativas? Obrigada!

    • Gabi Sallit disse:

      Ah, Maíra!!! Até eu fiquei exausta com o caso que você contou, imagina a sua pequena!!! rsrsrs
      Infelizmente, podem acontecer imprevistos e eles são estressantes tanto para os adultos, quanto para as crianças, né!
      Nossa maior viagem de avião teve 8 horas de duração (BH – Lisboa). Escolhi um bom horário- saímos à noite, depois do horário de dormir, mas, pelo menos, não tive que acordar o João de madrugada. Ele começou agitado, interessado nas novidades, depois dormiu umas 5 horas direto. Nós estávamos calmos, ele ficou tranquilo. Este é o melhor conselho que posso te dar: os bebês sentem a ansiedade dos pais, principalmente da mãe. Relaxe e sua menina se sentirá segura.
      Vou tentar incluir suas outras perguntas nos próximos posts, tá!
      Bjs!

  21. Viviane disse:

    Adorei o seu post o meu filho, o Vinicius foi para Buenos Aires com 11 meses, entre 1 e 2 anos 3x para o nordeste e agora estamos programando uma viagem para Portugal e Inglaterra em outubro próximo, veio muito a calhar seus posts. Passe algumas dicas do q comprar por lá, o carrinho dele por ex. de tanto uso está em pandareco, se vc puder passar algumas dicas de lojas ou sites de compra para bb com preço bom eu agradeço, tb estou querendo encomendar o próximo, se vc tb tiver algumas dicas para compras de enxoval já trago algumas coisa… Agradeço desde já e parabéns pelo blog e iniciativa de ter um mochileirinho desde cedo.

  22. FeHe disse:

    Ótimo post Gabi!
    A Ana com 4 meses foi para Buenos Aires e foi ótimo! Era frio, ela ficava muitas vezes no carrinho protegida por uma proteção vendida nas principais lojas. Ela ficava mais quentinha que a gente!
    Com organização, as viagens internacionais são fantásticas!
    Como sugestão, quem sabe você não fala sobre o que fazer durante os vôos mais longos? Haja criatividade!!!!
    Bjinhos!

  23. Val Otoni disse:

    Aêêê, que legal, Gabi!!!
    Adorei o post.
    Já que vc pediu sugestão para próxima abordagem, fale sobre o seguro saúde, pode ser?
    Agradeço demais e já tô mais animadinha aqui a ir mais longe com o Gui. Ele até que se comporta muito bem nos vôos e olha que os vôos com ele têm sido longos.

    Bjo

  24. Cintia disse:

    Oi Gabi! Ameeeei seu post, super útil pra quem ainda não teve coragem de viajar para longe com o bebê (o meu está com 11 meses).
    Estou super ansiosa para ler os próximos posts 😉

    Super obrigada!
    Bjão

  25. Adorei! Tenho uma viagem internacional marcada pra menos de 1 mês com o papai e o pequeno (de quase 1 aninho) e as dicas foram preciosas!
    Ansiosa por mais dicas!

  26. Bárbara disse:

    adorei as dicas! e adorei as perguntas da Nana. 🙂

    bora colocar esses meninos no mundo!

    bjs

  27. Ahhhhh!!! Que vontadeeeeee!!!!
    Ficou maravilhoso o post! Ansiosa já esperando os outros, com as dicas práticas, e favoritando todos. 😀
    Você perguntou, então eu respondo: eu queria saber se você percebe mudanças no comportamento do João depois das viagens. A saída da rotina atrapalha tanto assim? Você percebe saltos no desenvolvimento, afinal são muitos estímulos diferentes? Qual a emoção de ver o filhote descobrindo o mundo?? Ops, acho que essa não tem palavras pra descrever, vou esperar minha hora.
    Beijosss!!

    • Gabi Sallit disse:

      Nana, para o João, o mundo é pequenininho. Em Sabará ou Paris, o que o fascina são as pessoas, os gostos diferentes,a possibilidade de tocar nas coisas. Em Cuba, se deslumbrou com os pelicanos, que comiam na mão. Outro dia, no Parque Municipal, do lado de casa, ficou fascinado pelos patos, que comiam na mão. É lindo de ver!
      Vou tentar responder suas perguntas no post, tá!
      Bjs!

Deixe uma resposta para FeHe Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *