Plano Materno de Negócios: vamos começar!

Então vamos começar nosso Plano Materno de Negócios! Lembre-se que a idéia é que, ao final da série, você tenha um Plano de Ação em mãos para ajudar a agregar valor, saber identificar oportunidades e transformá-las em um negócio lucrativo. Elaborando pessoalmente o seu plano, você, mãe, terá a oportunidade de preparar um documento sob medida baseado em informações que você mesma angariou e nas quais poderá depositar mais confiança. Quanto mais você explorar e conhecer o mercado que deseja atuar, mais bem feito será o seu plano.

Boa parte das informações aqui colocadas foram baseadas e retiradas do modelo de Plano de Negócios que o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) oferece gratuitamente. Caso queira baixar esse modelo para ter ainda mais informações sobre como desenvolver o seu Plano de Negócios, é só clicar aqui.

Algumas considerações importantes:

1. Pesquise e procure tudo que estiver ao seu alcance sobre o setor que você deseja atuar. Por exemplo, se quiser abrir um site para venda de roupas infantis, fraldas ou slings, vale pesquisar sobre lojas online que vendem esses produtos, quais as marcas que vendem, se é confecção própria, quais os diferenciais diante dos outros concorrentes. Informações podem ser obtidas em diversos locais como jornais, revistas, feiras, cursos ou até mesmo junto a outras mães que já atuam no ramo. Pode também conseguir informações com clientes e fornecedores potenciais.

2. Lembre-se que o Plano Materno de Negócios não deve ser encarado como um instrumento engessado, portanto, é preciso acompanhá-lo permanentemente. O Plano deve ser feito num papel e a lápis, para possíveis correções. O mercado costuma se modificar a todo tempo, e é preciso acompanhar essas mudanças.

3. O Plano deve falar por você. Quanto mais bonito e organizado for seu aspecto, apresentação e principalmente suas idéias, melhores serão suas consequências. Dessa forma, você tornará mais fácil sua implementação e sua consulta.

4. O Plano Materno de Negócios, além de ser um guia para um novo negócio ou expansão de um empreendimento já existente, poderá também ser utilizado para conquistar novos sócios ou investidores, bem como estabelecer parcerias com fornecedores e clientes. Você também poderá utilizá-lo para apresentar a bancos, caso planeje fazer um financiamento, por exemplo. Porém, é muito importante que você se lembre que a maior usuária deste plano é você mesma.

Portanto, arregace as mangas, respire fundo e vamos nessa!

Parte 1 - A elaboração do Plano Materno de Negócios

1. Sumário Executivo

Esse sumário compreende um resumo do Plano. Não é uma introdução ou uma justificativa do porquê estar desenvolvendo o Plano e, sim, um sumário contendo seus pontos mais importantes. ATENÇÃO: mesmo que no Sumário Executivo compreenda a primeira parte do plano, ele deverá ser elaborado somente após a conclusão de todo o plano. Ao ser lido por alguém além de você, ele deverá deixar evidente a possibilidade de sua implementação. Informações mais aprofundadas virão em outras partes do Plano.

No sumário executivo irá constar:

- Resumo dos principais pontos do plano de negócio;

- Dados dos empreendedores, experiência profissional e atribuições;

- Dados do empreendimento;

- Missão da empresa;

- Setores de atividades;

- Forma jurídica;

- Enquadramento tributário;

- Capital social;

- Fonte de Recursos.

 

1.1. Resumo dos principais pontos do Plano Materno de Negócios

Faça um breve resumo com as principais características do negócio. Procure colocar:

- O que é o negócio;

- Quais os principais produtos e/ou serviços;

- Quem serão seus principais clientes;

- Onde será localizada a empresa;

- O montante de capital a ser investido;

- Qual será o faturamento mensal;

- Que lucro espera obter do negócio;

- Em quanto tempo espera que o investimento do capital retorne.

 

1.2. Dados da(s) empreendedora(s), experiência profissional e atribuições

Neste ponto você irá colocar os dados das responsáveis pela administração do negócio. A empresa terá só você como responsável? Então coloque somente seus dados. Caso tenha alguma sócia ou sócio, coloque os dados deles também. Faça uma pequena apresentação do seu perfil, destacando seus conhecimentos, habilidades e experiências anteriores. Pense em como esses dados poderão ser utilizados em favor do negócio.

Para evitar uma escolha desacertada de sócia ou sócio, é importante ficar atenta aos seguintes pontos:

- Analise se os objetivos dos sócios são os mesmos, tendo em vista o grau de ambição de cada um e a dimensão que desejam para o negócio;

- Divida as tarefas antes de montar a empresa. Defina o campo de atuação e horários de trabalho;

- Defina, com antecedência, o valor da retirada pró-labore (remuneração dos proprietários), como será feita a distribuição dos lucros e o quanto será reinvestido na empresa;

- Estabeleça o grau de autonomia de cada um e até que ponto um dos envolvidos pode, sozinho, tomar decisões;

- Determine se os familiares poderão ser contratados e quantos por parte de cada sócio. Sempre escolha funcionários e parceiros em conjunto;

- Defina o que acontecerá com a sociedade quando um dos sócios falecer ou não puder mais trabalhar. Determine um sistema de sucessão;

- Escreva todos os pontos que possam gerar atritos futuros em um contrato assinado pelos sócios;

-  Tenha claro que o que vai contribuir para a permanência de uma sociedade é algo tão simples como o que mantém um casamento: diálogo e clareza. Conflitos são inevitáveis, o que importa é a maneira de resolvê-los;

- Verifique se seu futuro sócio ou sócia não possui restrições cadastrais ou pendências junto a órgãos como a Receita Federal, Secretaria de Estado da Fazenda e INSS. Situações como essas podem dificultar o acesso a crédito junto a fornecedores e bancos, além de impedir o registro do negócio.

 

1.3. Dados do Negócio

Aqui você irá informar o nome da empresa e o número de inscrição no CNPJ - Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas, caso já possua este número. Caso contrário, indique o número do seu CPF.

 

1.4 Missão da Empresa

A missão do seu negócio é a incumbência que ela desempenhará em sua área de atuação. É a causa de sua existência hoje e representará seu ponto de partida, pois identificará e dará rumo ao seu empreendimento. Para definir a missão, vale responder as seguintes perguntas

1. Qual é o seu negócio?

2. Quem é o consumidor?

3. O que é valor para o consumidor?

4. O que é importante para os empregados, fornecedores, sócios, comunidade, etc.

Veja um exemplo de missão:

Empresa materna de papinhas orgânicas: Servir papinhas saborosas e de qualidade, com alimentos orgânicos, com rapidez e simpatia, em um ambiente limpo e agradável.

 

1.5. Setores de Atividade

Neste ponto, você definirá qual é o negócio de sua empresa e, em seguida, assinalar em qual(is) setor(es) sua empresa pretende atuar. Para ajudá-la, veja aqui quais são os principais setores da economia.

 

1.6. Forma Jurídica

O primeiro ponto para que uma empresa exista é a sua CONSTITUIÇÃO formal. Para que isso aconteça, é necessário definir sua forma jurídica. Essa forma dirá o jeito que a sua empresa será tratada pela lei. As formas jurídicas mais comuns para micro e pequenas empresas, de acordo com a cartilha do SEBRAE "Como Elaborar um Plano de Negócios" são:

Sociedade Limitada

Nesse tipo de empresa duas ou mais pessoas associam-se para a criação de uma pessoa jurídica, com existência e patrimônio distintos da pessoa física dos sócios. Quem exerce a atividade empresarial é a sociedade (representada pelos seus administradores), e quem responde pelas dívidas contraídas é o patrimônio da sociedade. Em síntese, a responsabilidade dos sócios é limitada.

Mas cuidado! Havendo indícios de abuso ou confusão patrimonial, a personalidade jurídica pode ser desconsiderada, respondendo então os sócios e administradores pelos débitos.

Empresário

É aquele que exerce individualmente e de maneira organizada atividades voltadas para a produção ou comercialização de bens e serviços, sendo obrigatório seu registro na Junta Comercial. Não há a presença de sócios e o proprietário assume integralmente a responsabilidade pelos resultados e riscos. Nesse tipo de empresa, o dono responsabiliza-se pelas obrigações da empresa, que são ILIMITADAS, isto é, o patrimônio pessoal pode ser exigido para o pagamento de certas dívidas, como por exemplo: débitos trabalhistas, com fornecedores, tributos, danos ao consumidor, danos ambientais, etc.

Atenção: para um melhor desempenho neste ponto, vale muito buscar um contabilista para informar-se qual a forma jurídica mais adequada para formar sua empresa.
1.7. Enquadramento Tributário
Basicamente, a pequena empresa pode adotar três formas diferentes para o cálculo e o recolhimento dos impostos junto ao Governo Federal: o EMPREENDEDOR INDIVIDUAL, o REGIME NORMAL ou o SIMPLES NACIONAL.
O Empreendedor Individual é o empresário individual com receita bruta/ano de até R$36.000,00, que tenha um empregado que ganhe salário mínimo ou o salário mínimo da respectiva categoria profissional e não possua mais de um estabelecimento nem participe de outra empresa como titular, sócio ou administrador. Nessa modalidade, o recolhimento dos impostos e contribuições é feito em valores fixos mensais. Para saber mais sobre o empreendedor individual, acesse o Portal do Empreendedor aqui.

 O SIMPLES é destinado às empresas que – com possibilidade de enquadramento – se beneficiarão da redução e simplificação de tributos, além do recolhimento de um imposto único. O enquadramento no SIMPLES está sujeito à aprovação da Receita Federal e leva em consideração a atividade e a estimativa de faturamento. Já no Regime Normal as empresas recolhem os impostos da forma convencional, cumprindo todos os requisitos previstos em lei para cada imposto. Para saber mais sobre o SIMPLES NACIONAL, acesse o site da Receita Federal e leia aqui.

Além dos tributos federais, no Regime Normal podem ser devidos impostos e contribuições para o Governo Estadual (ICMS) e Municipal (ISS).

 

1.8. Capital Social

O capital social engloba todos os recursos (dinheiro, equipamentos, ferramentas, capital intelectual, etc) colocado(s) pelo(s) proprietário(s) para a montagem do empreendimento. Em um post futuro dessa série, ao elaborar o plano financeiro do seu negócio, você saberá o total do capital a ser aplicado. Caso você escolha ter uma sociedade, será preciso determinar o valor do capital que cada sócio irá investir e o seu percentual.

 

1.9. Fonte de Recursos

Neste ponto você colocará a origem dos recursos a serem investidos no seu negócio para a abertura da empresa. Para iniciar as atividades, você pode contar com recursos próprios, de terceiros ou com ambos, conforme sua organização e possibilidade.

Recursos próprios envolvem a aplicação por parte do(s) proprietário(s) do capital necessário para a abertura da empresa, já a utilização de recursos de terceiros compreende a busca de investidores ou de empréstimos junto a instituições financeiras.

_

Próxima etapa

A partir do próximo post, faremos a análise do mercado que você, mãe, pretende atuar com seus produtos ou serviços.

_

Etapa anterior
Apresentação do Plano Materno de Negócios

 

_
Curta Livre Maternagem no Facebook

Curso Online de como lidar com birras
Você também vai gostar de:
Sobre a Autora

Bianca Puglia

Brasiliense, casada com um grande companheiro e mãe de um guri sorridente e feliz que nasceu em um belíssimo parto humanizado em 2013. Formada em Comunicação Social pela ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing) no Rio de Janeiro, pós-graduada em Gestão de Negócios pelo Ibmec (Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais) em Brasília, sempre fui apaixonada por empreendedorismo. Abri minha própria empresa de consultoria em marketing há alguns anos. Desde que soube que estava grávida, me envolvi profundamente no mundo da humanização do parto e encontrei nele o alento que sempre procurei: ajudar mulheres a buscar e encontrar o respeito necessário a elas e aos bebês que virão ao mundo. Eis que meu filho nasceu e entendi na prática a importância de se ter o apoio emocional e físico de uma doula, além do respeito a mim e ao meu bebê. Encontrei então a oportunidade de me profissionalizar e dividir com tantas outras mulheres a busca por esta atenção, autonomia e protagonismo em um momento tão singular. Me formei doula pelo curso Mulheres Empoderadas - Revelando Doulas em São Paulo - SP e atuo como doula e orientadora perinatal em Brasília - DF.

www.livrematernagem.com.br