Prazer, Carol!

Foto: Vans Bumbeers.
Foto: Vans Bumbeers.

Virginiana, ascendente em aquário e lua em peixes. Sou Ana Carol Machado, 33 anos, mãe do Francisco. Atriz, cantora, bailarina, psicóloga, com formação em Yoga para Gestantes. Tenho paixão por escrever, mas sempre guardei tudo pra mim. Vivo cuidando de mil projetos, ao mesmo tempo (como toda a mulher). Já fiz um pouco de muita coisa (continuo fazendo), mas foi na maternidade que encontrei a plenitude e uma grande mudança de vida. É sobre essa mudança que quero falar aqui.

Passei a vida toda desejando ser mãe e, quando finalmente chegou o momento, percebi que um divisor de águas estava para acontecer em minha vida. Tive uma gravidez de muita entrega, muito estudo e dedicação praticamente exclusiva aos cuidados com o meu bebê. Comecei a desbravar, mais profundamente, o universo do parto humanizado e entendi o tipo de experiência que queria oferecer ao meu filho, o tipo de experiência que queria para mim e o tipo de energia que queria propagar no mundo, a partir do nascimento do meu bebê.

Sempre fui muito sensível, mas a gestação e a maternidade agregaram a essa sensibilidade uma capacidade realizadora, uma força, uma expressividade que me permitiriam outros voos, novas reflexões e uma aplicação prática muito mais positiva de tudo aquilo em que sempre acreditei. Muito mais do que a busca por um parto natural e humanizado, passei a buscar uma vida mais humanizada. Sentia que precisava encontrar formas de levar o olhar da humanização para outras esferas. Por que não pensar em maternidade humanizada? Em casamento humanizado? Em família humanizada? Em um mundo humanizado? Como plantar essa semente?

Foi tudo tão forte e tão intenso que, em determinado momento, passou a transbordar. Eu sentia que tinha que dividir o meu processo. Queria que outras pessoas tivessem acesso a todas aquelas informações e que pudessem tomar suas decisões com esclarecimento, com leveza, com consciência e não alicerçadas em pressões, medos e mitos, como tantas vezes vemos na nossa sociedade.

Troquei ideias com quem parava pra bater um papo comigo, durante a gestação, mas foi depois do nascimento do Francisco que o assunto realmente ficou sério. Primeiro porque eu mesma me senti virada do avesso (no melhor sentido da expressão) e segundo porque tive a certeza de que não podia passar pela vida sem espalhar no mundo (pelo menos) um pouco de toda aquela energia de amor.

Quando publiquei meu relato de parto nas redes sociais, muita gente começou a me procurar querendo saber detalhes de como tudo tinha acontecido. Futuras mamães me pediam dicas e diziam que meu relato havia transformado a forma como elas viam o parto natural e humanizado. Foi aí que comecei a perceber que além da minha vontade em multiplicar a experiência linda que vivi, havia também uma demanda. Não era só eu que queria trocar experiências. Havia, de fato, mulheres ávidas por esse tipo de informação e que se sentiam estimuladas em saber que o parto não precisa ser um momento de dor e violência, nem um ato frio e burocrático.

Dessa interação, dessa percepção, mas acima de tudo da transformação que vivi com a maternidade nasceu o projeto “Mãe por Natureza”, que se propõe a ser um canal de comunicação com pessoas interessadas nessa temática, mas que no fundo é bem mais do que isso. “Mãe por Natureza” é a minha alma falando com o mundo, é o (re)nascimento dessa mulher, cheia de utopias, sonhos e projetos. É a união de todas as mulheres que habitam em mim, no desejo de contribuir ativamente para um mundo mais amoroso.

O logo do projeto foi inspirado em uma foto da placenta do meu filho e cada detalhe, de tudo o que você vai encontrar por aqui, foi pensado com todo o carinho. Muitas novidades ainda estão por vir, tenho certeza. Esse é apenas o primeiro passo e eu estou amando! Seja bem-vindo a esse blog, um pedacinho do meu mundo. Entre e fique à vontade. Vamos conversar!