pascoa waldorf
Festas de época

A Páscoa que toda criança merece

A Páscoa se aproxima e junto com ela a possibilidade de abrirmos espaço para o novo e para as transformações que nos mobilizam a agir de maneira mais plena. O texto Páscoa – um convite ao recolhimento, nos convida a refletir sobre essa época tão especial para que possamos oferecer às nossas crianças muito mais do que chocolate, pois embora seja uma delícia, não tem nada a ver com a real magia dessa iluminada comemoração.

Aproveitar a energia desse momento para realizar atividades simbólicas e significativas com a criançada é uma ótima opção!  Abaixo algumas dicas que elas adoram:

  • Pintura de ovos

Com uma agulha fure as extremidades dos ovos. Em seguida assopre um dos lados para que todo o conteúdo do ovo seja eliminado. Lave bem com água, detergente e vinagre. Prepare os pincéis e as tintas, e depois de deixar escorrer é só pintar! As crianças adoram participar de todo o processo.

  • Casulos de lagartas e borboletas

A borboleta traz a mensagem da metamorfose de ovo para lagarta e de crisálida, para um lindo inseto com cores brilhantes. Confeccionar pequenos casulos de feltro ou papel e pendurá-los junto aos ovos em uma árvore seca deixa as crianças encantadas com a expectativa de que algo rígido e preso irá morrer, para transformar-se em uma livre e colorida borboleta. A ideia é deixar os casulos pendurados nas semanas que antecedem a Páscoa e na manhã de domingo, substituir as lagartas por borboletas de feltro ou papel.

  • Árvore de Páscoa

Quem disse que só o Natal pede uma árvore? Na Páscoa a ideia é enfeitar uma árvore de galhos secos com ovos pintados, casulos de lagartas, cenouras e demais objetos que nos remetem a essa época.

  • Histórias 

No link Histórias de Páscoa você encontra várias histórias para alegrar as crianças. Dentre elas, segue a preferida:

 

O coelho da Páscoa

Era uma vez um pai coelho de Páscoa e uma mãe coelha de Páscoa que tinham sete filhos. Ao aproximar-se a época da Páscoa, eles resolveram testar os coelhinhos para ver qual deles era o verdadeiro “coelho de Páscoa”.

A mãe pegou uma cesta com sete ovos e pediu para que cada filho escolhesse um para esconder.

O mais velho pegou o ovo dourado e saiu correndo por campos e montes até chegar ao portão da escola, mas deu então um salto tão grande e tão apressado que caiu de mau jeito quebrando o ovo. Esse não era o verdadeiro coelho de Páscoa.

O segundo escolheu o ovo prateado e pôs-se a caminho. Ao passar pelos campos encontrou a raposa. Esta queria comer o ovo e pediu-o ao Coelho. Ele não lhe quis dar. A raposa prometeu-lhe então uma moeda de ouro, conseguindo assim que o coelho a seguisse até sua toca. Chegando lá, a raposa escondeu o ovo e, com cara feia, mostrou os dentes como se quisesse comer o assustado coelhinho que saiu correndo o mais que pôde. Esse também não era o coelho de Páscoa.

O terceiro escolheu o ovo vermelho e pôs-se a caminho. Ao atravessar o campo encontrou-se com outro coelho e pensou: “Ainda tenho muito tempo. Vou lutar um pouco com ele”. Os dois coelhos lutaram e rolaram tanto pelo chão que amassaram o ovo. Também esse não era o verdadeiro coelho de Páscoa.

O quarto pegou o ovo verde e pôs-se a caminho. Quando passava pela floresta ouviu o chamado da gralha que, pousada no galho de uma árvore, gritava: “Cuidado! A raposa vem vindo!”. O coelho assustado olhou à sua volta procurando um lugar para esconder o ovo.

– “Dá-me o ovo que eu o esconderei em meu ninho”, disse a gralha. O coelho deu-lhe o ovo mas, percebendo que não havia raposa alguma quis o ovo de volta. A gralha respondeu maldosamente: ”O ovo está muito bem guardado no meu ninho. Vem buscá-lo se quiseres”. Esse também não era o verdadeiro coelho de Páscoa.

O próximo escolheu o ovo cinzento. Quando ia andando pelo caminho chegou a um riacho. Ao passar pela ponte viu-se espelhado nas águas. Ficou tão encantado com sua própria imagem que se descuidou do ovo indo este se espatifar numa pedra. Esse também não era o coelho de Páscoa.

O outro coelhinho escolheu o ovo de chocolate e pôs-se a caminho. Encontrou-se com o esquilo que lhe pediu para dar uma lambida no ovo. – “Mas este ovo é para as crianças”, disse o coelho.

O esquilo insistiu tanto que o coelho deixou que ele desse uma lambida no ovo. O esquilo achou-o tão gostoso que o coelhinho resolveu dar também uma lambidinha. Lambida vai, lambida vem, os dois acabaram comendo o ovo. Esse também não era o coelho de Páscoa.

Chegou então a vez do mais jovem. Ele escolheu o ovo azul. Quando passou pelo campo, veio-lhe ao encontro a raposa, mas o coelho não entrou na conversa dela e continuou o seu caminho. Mais adiante encontrou o outro coelhinho que queria lutar com ele, mas ele não parou. Continuou caminhando até chegar à floresta. Ouviu os gritos da pega – “Cuidado! A raposa vem vindo!”. O coelho não se deixou enganar e continuou seu caminho. Chegou então ao riacho e cuidadosamente atravessou a ponte sem olhar para sua imagem refletida na água. Encontrou-se mais adiante com o esquilo mas não lhe permitiu lamber o ovo, pois este era para as crianças.

Chegou assim até o portão da escola. Deu um salto nem curto nem longo demais, chegando ao outro lado sem danificar o ovo. Procurou um esconderijo adequado no jardim da escola onde guardou cuidadosamente o ovo. Esse era o verdadeiro “Coelho de Páscoa”!

Chá de Bebê
Previous Post Next Post

1 Comment

  • Reply Blogueira Alice 2 de abril de 2016 at 22:32

    Olá

    Admirei muito este site.

    Por mais sites idem a este!

    ShameOnYou da Portal Shame Intelimax

  • Leave a Reply