fogueira waldorf
Festas de época

Festas Juninas – por que mesmo elas acontecem?

As festas juninas ocorrem no início do inverno e estão ligadas à história de São João Batista, nascido no dia 24 de junho. Seus pais, Isabel e Zacarias, eram pessoas consideradas justas diante de Deus, e sempre desejaram ter um filho. Mas embora orassem muito, o tempo se passava e seu desejo não se realizava.  Um belo dia um anjo apareceu para Zacarias dizendo: “Sua mulher Isabel dará à luz um menino, ao qual você dará o nome de João. Ele virá para vocês porque – como vocês – ele deseja servir o filho de Deus. João será o divino mensageiro do filho de Deus e virá antes dele.”
Isabel e Maria eram primas e logo esta soube que Isabel estava esperando um bebê. Maria ficou muito feliz, mas por morar longe dali e pelas dificuldades de comunicação, ficou apreensiva pois gostaria de receber a notícia do nascimento logo que este se concretizasse. Isabel decidiu então, que uma grande fogueira seria acesa e um mastro seria erguido para que a prima recebesse o recado. Passado algum tempo, tudo ocorreu conforme haviam combinado. Maria avistou os sinais e compreendeu a feliz mensagem.
Por isso, a época de São João passou a ser comemorada desta forma, através de fogueiras, mastros e fogos, além de danças e diversas atividades típicas. A fogueira é também simbolizada pela oportunidade da humanidade queimar tudo aquilo que não serve mais, abrindo espaço para o novo que ilumina e traz transformações. Essa fase pede uma conscientização mais universal e menos pessoal, baseada na percepção de que somos parte do Universo Cósmico. É uma festa que clama pelo olhar do ser humano aos céus, nos lembrando que somos um tesouro escondido,  e que vivemos como semente mas ainda temos muito o que crescer para que nosso potencial se realize. Somos muito pouco perto de tudo o que somos capazes de ser, por isso os anjos e todo o céu esperam pela nossa maturação.
A mensagem que João Batista deixou aos seus seguidores é a seguinte: “Mudem seus corações e suas mentes, para se prepararem para o grande evento que está por vir; precisam verdadeiramente mudar a direção dos seus pensamentos e sentimentos!” Vemos, portanto, que há muitos anos a necessidade de mudanças internas foi anunciada… E cabe a cada um de nós refletir se estamos caminhando rumo a um posicionamento mais consciente ou se estamos acomodados simplesmente vendo a vida passar. Como disse Dalai Lama: “O ser humano vive como se não fosse morrer e morre sem ter vivido.” Será realmente este o exemplo que devemos dar aos nossos filhos?
As crianças ficam encantadas com as comemorações dessa época. Nunca é demais lembrar que elas vivem essa atmosfera de maneira inconsciente, pois toda essa simbologia está impregnada em seu ser. As histórias e as cantigas típicas são repletas de profundo significado e ao compartilharmos com os pequenos, oferecemos também calor e aconchego, pois eles sentem coerência entre aquilo que vivenciam internamente e aquilo que lhes é apresentado através do mundo.
Balões de Luz
(Ruth Salles)
Aqui,
Na noite antiga de garoa e frio fino,
Subiam balões de luz
Em honra do primo de Jesus,
São João Menino.
E em nosso coração
Cada balão,
Subindo rápido e em linha reta,
Era o próprio João Menino,
Se transformando em João Profeta.
Era o profeta
Que parecia o clarão da madrugada,
Antecedendo a chegada
Do grande Sol nascente, da maior luz:
O Cristo Jesus.
Chá de Bebê
Previous Post Next Post

1 Comment

  • Reply Anônimo 19 de junho de 2015 at 18:06

    Mari! Como a gente esquece os reais motivos, não é mesmo? Me vejo "caçando" uma festinha p ir com a Estela sem nem mesmo saber o que stá por traz de tanta beleza… E aí vem vc nos presenteando com mais beleza ainda! Obrigada de todo coração. Vc é uma querida! Bjs e abraços. Fá

  • Leave a Reply